02:02 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    John Bolton, conselheiro de Segurança Nacional dos EUA

    Defensor de ataques contra Irã e Coreia do Norte é o novo assessor de segurança de Trump

    © AP Photo / Evan Vucci
    Américas
    URL curta
    22110

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, escolheu nesta quinta-feira o ex-embaixador da ONU John Bolton para o cargo de assessor de segurança nacional, o mesmo que defendeu o uso da força militar contra o Irã e a Coreia do Norte e adotou uma linha dura contra a Rússia.

    Trump disse em um tweet que Bolton iria substituir o H. R. McMaster, seu atual conselheiro de segurança nacional. Bolton, de 69 anos, que há muito tempo é visto como uma figura polarizadora nos círculos de política externa de Washington, torna-se o terceiro assessor de segurança nacional de Trump em 14 meses.

    "Tenho o prazer de anunciar que, a partir de 9/4/18, @AmbJohnBolton será meu novo Conselheiro de Segurança Nacional", escreveu Trump. "Estou muito agradecido pelo serviço do General H.R. McMaster, que fez um excelente trabalho e que continuará sendo meu amigo. Haverá uma entrega de contato oficial em 4/9."

    Bolton se junta a uma equipe de segurança nacional Trump que, com a planejada substituição do secretário de Estado Rex Tillerson pelo chefe da CIA Mike Pompeo, é cada vez mais povoada por figuras que compartilham a tendência de Trump de exercer o poder dos EUA unilateralmente.

    A nomeação de Bolton havia sido ferozmente criticada por muitos dentro do círculo íntimo de Trump, mais notavelmente o grupo de oficiais militares que experimentaram a brutalidade da guerra em primeira mão.

    Como principal autoridade de controle de armas do Departamento de Estado sob o governo de George W. Bush, Bolton foi um dos principais defensores da invasão do Iraque em 2003 — descoberta mais tarde baseada em informações exageradas sobre as armas de destruição em massa e os laços do presidente Saddam Hussein ao terrorismo.

    Nos últimos anos, como um comentarista da mídia conservadora, Bolton defendeu posições duras para impedir Pyongyang de obter armas nucleares que possam ameaçar os Estados Unidos. Ele também defendeu a eliminação do acordo nuclear com o Irã de 2015, um pacto que Trump também criticou duramente.

    Antes de Trump tomar posse em 2016, o senador Rand Paul disse que Trump deveria evitar indicar Bolton para seu gabinete. Nenhum homem, Rand argumentou, está mais fora de contato com a situação no Oriente Médio ou mais perigoso para a segurança nacional dos EUA do que Bolton.

    Paul disse que apesar do fato de que a Rússia tem uma base na Síria há 50 anos, Bolton pediu uma guerra "total, sem restrições" na Síria, sem mencionar o fato de que ele apoiou a invasão do Iraque pelos EUA em 2003.

    Já McMaster, um general do Exército dos EUA de três estrelas, poderia sair da Casa Branca para uma posição de quatro estrelas. Em vez disso, ele se aposentará da vida pública.

    "Após trinta e quatro anos de serviço em nossa nação, estou solicitando a aposentadoria do Exército dos EUA neste verão, depois do qual deixarei o serviço público", disse ele em um comunicado. "Ao longo da minha carreira, tive o maior privilégio de servir ao lado de membros extraordinários do serviço e civis dedicados".

    Mais:

    'Dizendo que Rússia tem algo comprometedor contra Trump, EUA resolvem muitos problemas'
    Ex-chefe da CIA: Rússia tem algo comprometedor contra Donald Trump
    'Pessoas se importam por ele ter mentido', publica atriz pornô sobre Donald Trump
    Tags:
    política, guerra, segurança, H.R. McMaster, John Bolton, Donald Trump, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik