05:38 13 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Retratos dos presidentes dos EUA e da China em revistas chinesas (foto de arquivo)

    Casa Branca estaria preparando restrições comerciais severas contra China

    © AFP 2018 / NICOLAS ASFOURI
    Américas
    URL curta
    11420

    Surgiram notícias que os assistentes de Donald Trump estão preparando um pacote de propostas quanto às tarifas alfandegárias para as exportações da China. O prejuízo causado pelas medidas ao país asiático, segundo estimativas preliminares, corresponderá aproximadamente a US$ 30 bilhões (R$ 98 bilhões).

    De acordo com a edição Politico, a iniciativa foi apresentada pelo representante comercial dos EUA, Robert Lighthize, como medida de retaliação às alegadas violações por parte da China dos direitos intelectuais dos produtores norte-americanos.

    O novo pacote de medidas pode afetar importações de mais de 100 produtos chineses, embora certos detalhes, por exemplo, o prazo de anúncio de novas tarifas, possam ser alterados, adicionou a edição. 

    Por sua vez, a China já prometeu responder a quaisquer restrições dos EUA em relação à sua produção, afirmou o representante oficial do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang.

    "Nós repetidamente frisamos que a China se opõe a quaisquer medidas protecionistas unilaterais no comércio. Caso os EUA aprovem essa iniciativa, que causará dano a nossos interesses, então, certamente, a China tomará medidas necessárias para a proteção de nossos direitos", afirmou Lu Kang durante briefing.

    No dia 9 de março, Trump acionou tarifas protecionistas sobre o aço e o alumínio que entram no país. De acordo com elas, o aço será tributado a uma taxa de 25%, enquanto o alumínio será tributado em 10%.

    Mais:

    Presença de porta-aviões dos EUA no Vietnã causa 'infelicidade' na China
    Armas hipersônicas da China ameaçam toda frota de superfície dos EUA
    China diz que não quer uma guerra comercial com os EUA
    Tags:
    tarifas, comércio, China, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik