00:10 22 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Cannabis

    Promotores federais dos EUA não irão trabalhar em casos pequenos de maconha

    © AP Photo/ Jeff Chiu
    Américas
    URL curta
    340

    Promotores federais não irão trabalhar em casos de posse de pequena quantidade de maconha, afirmou o procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, neste sábado (10).

    Os agentes da lei não têm recursos para operar em "casos de rotina" e irão focar seus esforços em combater cartéis e outros crimes maiores, afirmou Sessions. 

    O comentário ocorre após a administração do presidente Donald Trump rever parte das regras do mercado de drogas legais nos Estados Unidos em janeiro. Trump reverteu uma medida da presidência anterior, de Barack Obama, que determinava que os promotores não deveriam interferir no mercado de drogas legalizadas. Agora, a determinação é de que os promotores podem interferir quando julgarem adequado.

    Apesar de ser proibida em nível federal, os Estados Unidos têm uma forte tradição federalista e oito estados regulamentaram o mercado de maconha recreacional durante o mandato de Obama.

    "Eu não vou dizer ao Colorado, à Califórnia ou a outra pessoa que a posse de maconha é legal sob a lei dos Estados Unidos", disse Sessions em palestra na Universidade de Georgetown. Entretanto, o procurador-geral dos EUA afirmou que os promotores federais "não têm trabalhado em pequenos casos de maconha antes, e eles não vão trabalhar agora".

    Mais:

    Pesquisadores da Unifesp são alvo de inquérito por simpósio sobre maconha
    Índices de violência despencam em estados dos EUA onde a maconha é legalizada
    Cresce número de americanos que apoiam a legalização nacional da maconha nos EUA
    Mike Tyson investe no comércio de maconha
    Carregando mil cigarros de maconha, homem confunde carro de polícia com táxi e é preso
    Tags:
    Jeff Sessions, Barack Obama, Donald Trump, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik