15:54 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Candidato à presidência da Colômbia, Gustavo Petro, fala durante coletiva de imprensa em Bogotá, no dia 26 de fevereiro de 2018.

    Candidato de esquerda à presidência é atacado na Colômbia

    © REUTERS / Jaime Saldarriaga
    Américas
    URL curta
    310

    Um carro blindado em que o candidato de esquerda à presidência da Colômbia, Gustavo Petro viajava foi atacado na sexta-feira (2) por pessoas que se opunham a uma manifestação do candidato no centro da cidade de Cúcuta, segundo informações divulgadas por sua campanha e pela polícia.

    Segundo informações da agência Reuters, Petro, que lidera as pesquisas para as eleições de maio, escapou ileso do incidente. A polícia disparou gás lacrimogêneo para dispersar os opositores do líder esquerdista e partidários que ameaçavam entrar no local planejado para a manifestação, que não tinha autorização da prefeitura local.

    No entanto, o próprio candidato afirmou que não se pode limitar esse tipo de manifestação, pois a única exigência legal seria avisar a prefeitura com 48 horas de antecedência, o que teria sido feito. Outros partidos e movimentos publicaram cartas de repúdio ao ocorrido.

    As janelas do carro foram atingidas, mas fontes policiais negaram que os ataques foram à bala como sugerido por alguns membros da campanha de Petro. O candidato líder das pesquisas foi prefeito de Bogotá e pertencia ao grupo de guerrilheiros M-19, que entregou as armas no final dos anos 1980 tornando-se um partido. O mesmo processo ocorreu recentemente com as FARC.

    Petro se manifestou em seu perfil pessoal no Twitter confirmando que não houve disparos contra seu carro, e contando que sete ônibus participaram do que chamou de "sabotagem" de sua manifestação.

    Neste vídeo, postado também no Twitter e repostado pelo candida​to, é apresentado pelo usuário como prova de que houve sim disparos na manifestação. No vídeo, ouve-se algo que parece ser um disparo, e logo em seguida as pessoas correm em várias direções.

    ​Ainda há poucas informações confirmadas, mas circula a possibilidade de uma tentativa planejada de assasinar o candidato. Muitos colombianos estão indo às redes sociais para demonstrar apoio ao candidato através da hashtag #ColombiaHumana.

    "A manifestação foi infelizmente dissolvida por alguns membros da polícia", disse o candidato presidencial em frente a um hotel na cidade de Cúcuta, capital do departamento do norte de Santander, na fronteira com a Venezuela, onde presidiu uma concentração improvisada diante de seus seguidores.

    A manifestação reuniu milhares de pessoas e foi transmitida ao vivo pela campanha no Facebook, em que se pode ouvir os manifestantes gritando o lema da campanha "Si, se pudo!".

    Petro concorrerá no dia 11 de março em uma consulta que deixou eleger seu candidato presidencial. Todas as pesquisas prevêem que ele será escolhido por uma ampla margem de votos sobre Carlos Caicedo.

    O ex-presidente Alvaro Uribe, também se envolveu em um incidente semelhante na cidade de Popayan, sudoeste do país, onde os manifestantes da oposição tentaram bloquear a sua chegada em uma reunião política.

    A Colômbia enfrenta uma divisão política profunda próximo das eleições legislativas e presidenciais, em que o direita e esquerda têm medido forças.

    A Polícia Nacional, que participa nos esquemas de segurança dos candidatos presidenciais e dos líderes políticos, pediu "moderação e tolerância" e um uso adequado do direito ao protesto pacífico e sem violência.

    Mais:

    Atentado contra posto policial na Colômbia deixa 3 mortos e 30 feridos
    Mais de meio milhão de venezuelanos fugiram para a Colômbia
    Ex-presidente da Colômbia sugere golpe militar contra Maduro na Venezuela
    Ponte em construção colapsa na Colômbia matando nove pessoas
    Tags:
    Eleições presidenciais na Colômbia, Gustavo Petro, Cúcuta, Bogotá, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik