01:33 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    O presidente Donald Trump brinda com o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, em um jantar da Cúpula da ASEAN no Centro de Convenções SMX, em novembro de 2017

    A exemplo das Filipinas, Trump quer introduzir pena de morte para traficantes de drogas

    © AP Photo / Andrew Harnik
    Américas
    URL curta
    450

    Ao discutir medidas para combater a dependência de drogas no país com seus assessores, o presidente dos EUA, Donald Trump, muitas vezes fala pela pena de morte para traficantes, informou o portal de notícias Axios, citando fontes na administração dos EUA.

    De acordo com as fontes, Trump não acredita que a prisão possa ajudar os traficantes de drogas e os compara com assassinos em série. Trump dá como exemplo Singapura, que tem pena capital para quem vende entorpecentes.

    Trump já havia felicitado o presidente filipino Rodrigo Duterte por sua luta contra as drogas ilegais.

    "Muitos países têm o mesmo problema, temos um problema, é um ótimo trabalho que você está fazendo, e eu só queria ligar e dizer isso", disse Trump a Duterte.

    O presidente dos EUA também repete frequentemente que "os chineses e os filipinos não têm problema de drogas, porque eles simplesmente os matam", disse um representante da administração ao portal de notícias.

    Conforme explicado pela assessora sênior da presidente dos EUA Kellyanne Conway, a quem a Axios pediu comentários, Trump está se referindo a grandes traficantes de drogas que distribuem doses de substâncias narcóticas em grandes quantidades. No último dia 10 de janeiro, Trump assinou uma lei para conter o tráfico de opiáceos para os Estados Unidos.

    De acordo com as estimativas da publicação médica STAT, a menos que sejam tomadas medidas urgentes, cerca de 500 mil pessoas podem morrer de overdose de opióides nos Estados Unidos nos próximos 10 anos.

    Tags:
    Drogas, STAT, Axios, Kellyanne Conway, Rodrigo Duterte, Donald Trump, Estados Unidos, Singapura
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik