23:26 12 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Naegleria fowleri

    Confirmado na Argentina primeiro caso de morte por ameba que 'come cérebros'

    © Foto / Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos
    Américas
    URL curta
    1080
    Nos siga no

    O caso que teve lugar há um ano foi registrado na Argentina, onde menino de oito anos morreu depois de ter contraído a Naegleria fowleri, popularmente conhecida como ameba que come cérebros.

    Como informa o jornal argentino, Clarín, trata-se do primeiro caso parecido no país. Acredita-se que a ameba possa ter chegado ao país na sequência do aquecimento global.

    Segundo especialistas, citados pelo Clarín, foi "um caso isolado" e não é necessário "entrar em pânico".

    A criança contraiu a ameba em fevereiro do ano passado nadando em uma lagoa perto da província Junín, que se encontra a 320 km da capital argentina. O menino começou a apresentar dores de cabeça, febre e vômito. A criança também teve sintomas de meningite, apresentou fotofobia e sonofobia. A criança morreu dentro de cinco e sete dias após primeiros sintomas.

    Na época, o caso foi informado apenas no boletim epidemiológico local, mas só na última semana a Sociedade Internacional de Doenças Infecciosas tornou o acontecido público.

    Ex-presidente da Associação Parasitológica da Argentina, Sixto Raúl Costamagn, acredita que a ameba tenha chegado ao país por alterações climáticas globais.

    "Pequenas variações de temperatura produzem modificações nos ciclos dos parasitas", disse.

    A infecção provocada pela ameba afeta gravemente a saúde e resulta no alto grau de mortalidade. Nos EUA, foram registrados 129 casos entre 1962 e 2013, apenas duas pessoas conseguiram sobreviver.

    A ameba Naegleria fowleri se encontra principalmente em água doce, em lagos e rios. O parasita nada livremente e, em geral, entra no corpo pelo nariz, enquanto as pessoas nadam ou mergulham. Se conseguir chegar até o cérebro, provoca infecção mortal.

    Os primeiros sintomas aparecem dentro de um a sete dias e podem se revelar como dor de cabeça e náusea. A doença progride rapidamente e afeta o tecido cerebral causando danos irreparáveis e morte.

    Mais:

    Ministério da Saúde: não há registro confirmado de febre amarela urbana no Brasil
    Zika: Período frio e controle do Aedes Aegypti geram 'menor taxa de infecção'
    Febre Amarela: traficantes sequestram enfermeiras para vacinar comunidade
    Tags:
    doença, infecção, saúde, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar