21:09 14 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Píton

    Apartamento Cobra! Veja lugar onde moravam mais de 200 serpentes (FOTOS)

    © CC0 / Pixabay
    Américas
    URL curta
    0 25
    Nos siga no

    Cobras-papagaio e pítons-reais são apenas algumas das variedades presentes entre as 219 cobras e 19 ovos desses répteis que a Polícia de Buenos Aires (Argentina) encontrou na terça-feira (20) em um apartamento no bairro portenho de Balvanera.

    Os animais estavam em grandes caixas transparentes de plástico, marcadas com seu tamanho, peso e outras características. As cobras foram encontradas graças a uma denúncia formulada ao Ministério do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Nação.

    ​As autoridades prenderam uma pessoa que se dedicava à comercialização dos répteis, os quais foram apreendidos e levados para um serpentário, onde serão avaliados.

    Sergio Bergman, ministro do Ambiente, declarou que, após a denúncia, foi iniciado o monitoramento de sites onde eram oferecidas, comercializadas e traficadas as serpentes, de forma ilegal, informou o portal TN.

    ​A cobra-papagaio não é venenosa e habita florestas tropicais da América do Sul. Chegando a atingir dois metros de comprimento, seu dorso é de cor verde com manchas brancas, enquanto seu ventre é amarelo.

    ​​Pítons-reais são da África. Medem mais de um metro de comprimento e são pouco agressivas.

    Por sua vez, Santiago D'Alessio, diretor da Fauna Silvestre e Conservação da Biodiversidade, declarou que o tráfico de animais movimenta muito dinheiro, perdendo somente para o contrabando de armas e de drogas.

    De acordo com a polícia argentina, as víboras são vendidas por 400.000 pesos (R$ 65.198).

    Mais:

    Aqui há uma cobra camuflada. Consegue achar? (FOTO, VÍDEO)
    Cobra e píton são encontradas em aperto mortal (FOTO)
    Você consegue vê-la? FOTO com cobra venenosa é novo desafio dos internautas
    Tags:
    réptil, contrabando, píton, cobras, Buenos Aires, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar