00:08 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente do Haiti, Jovenel Moise, em desfile com as Forças Armadas do Haiti.

    Presidente do Haiti diz que caso de escândalo sexual envolvendo ONG é a 'ponta do iceberg'

    © AP Photo / Dieu Nalio Chery
    Américas
    URL curta
    104

    O presidente do Haiti, Jovenel Moise, afirmou nesta sexta-feira (16) que o recente caso de funcionários da ONG Oxfam que pagaram por prostitutas no país é apenas a "ponta do iceberg". Moise disse ser necessária uma investigação sobre a atuação do Médicos sem Fronteiras e de outras ONG's que vieram ao Haiti após o terremoto de 2010.

    "O caso da Oxfam é a ponta do iceberg", disse o presidente em entrevista por telefone com a Reuters. "Não é apenas Oxfam, há outras ONGs na mesma situação, mas escondem a informação internamente".

    Após a divulgação do caso da Oxfam, o Reino Unido e a União Europeia anunciaram que estão revisando o financiamento da organização. 

    "Deve haver uma investigação sobre outras organizações que têm trabalhado aqui desde 2010", disse Moise. "Por exemplo, os Médicos Sem Fronteiras tiveram que repatriar cerca de 17 pessoas por conduta inadequada e não houve explicação."

    A direção do Médicos Sem Fronteiras afirmou que teve 24 casos de abuso sexual entre seus 40 mil funcionários em 2017. Não foi divulgado quais foram os casos, onde eles ocorreram ou se as denúncias foram enviadas para as autoridades locais. 

    A Sputnik Brasil já entrevistou mulheres vítimas de estupros praticados por soldados da Missão das Nações Unidas para a estabilização no Haiti.

    Mais:

    Protesto contra Trump fecha embaixada dos EUA no Haiti
    Trump sobre Haiti e África: 'Por que estamos recebendo imigrantes destes países de m*rda?'
    Elogiado por ação no Haiti, Brasil pode enviar forças de paz à República Centro-Africana
    Que legados a Missão de Estabilização da ONU no Haiti deixa após seu encerramento?
    Tags:
    ONU, Oxfam, Médicos Sem fronteiras, Jovenel Moise, Haiti
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik