03:41 19 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Explosão nuclear (imagem referencial)

    Ameaça de tragédia nuclear está no maior nível desde Guerra Fria, diz grupo de cientistas

    CC0 / geralt
    Américas
    URL curta
    642
    Nos siga no

    A ameaça da extinção humana atingiu um nível não visto desde a Guerra Fria, com múltiplas ameaças de uma guerra nuclear, do aquecimento global e do presidente dos EUA, Donald Trump, de acordo com um comunicado de imprensa do Boletim dos Cientistas Atômicos nesta quinta-feira.

    "Os maiores riscos do ano passado surgiram no domínio nuclear", disse o comunicado. "Na frente da mudança climática, o perigo pode parecer menos imediato, mas evitar aumentos catastróficos de temperatura no longo prazo requer atenção urgente agora".

    O comunicado também citou: "O declínio da liderança dos EUA e o desaparecimento relacionado da diplomacia sob a administração Trump" por exacerbar a perspectiva de aniquilação global.

    O Boletim dos Cientistas Atômicos também avançou o seu Relógio do Apocalipse simbólico em 30 segundos mais próximos da meia-noite, o ponto simbólico da destruição, disse o comunicado.

    O documento creditou Trump como uma influência no Relógio do Apocalipse com declarações, indicando uma disposição para responder a um ataque nuclear norte-coreano com reações maciças — presumivelmente nucleares.

    O grupo científico publicou suas opiniões em uma revista acadêmica não técnica, também chamada de Boletim dos Cientistas Atômicos, desde os bombardeios de Hiroshima e Nagasaki, de 1945, que acabaram com a Segunda Guerra Mundial.

    Mais:

    Acordo nuclear do Irã permite que Teerã fabrique 'centenas de bombas', diz Netanyahu
    Pyongyang declara ter força 'poderosa' para enfrentar qualquer ameaça nuclear
    Israel pede que Europa trabalhe com Trump para reformar acordo nuclear iraniano
    Tags:
    Guerra Fria, bomba atômica, Segunda Guerra Mundial, apocalipse, Relógio do Apocalipse, Boletim dos Cientistas Atômicos, Coreia do Norte, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar