02:49 20 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Marcha das Mulheres 2018 em Los Angeles.

    Com tom anti-Trump, marcha das mulheres leva milhares às ruas dos EUA

    © AP Photo/ Jae C. Hong
    Américas
    URL curta
    333

    Mais de 250 cidades dos EUA assistiram à marcha das mulheres neste sábado (20).

    No dia em que o presidente dos Estados Unidos completa 1 ano à frente do governo, uma marcha de mulheres foi convocada em diversas cidades do país. As maiores manifestações aconteceram em cidades como Nova York, Los Angeles, Filadéfia, Washington e Las Vegas.

    O protesto nacional teve como alvo principal as políticas do presidente republicano, consideradas ofensivas e misóginas pelas manifestantes.

    Em 2017, outra grande manifestação tomou as ruas do país com o mesmo formato. Logo após a posse de Donald Trump, uma marcha com milhões de mulheres também tomou as ruas do país.

    Este ano, apenas em Nova York, pelos 120 mil mulheres estiveram presentes.

    Além do tom contra Donald Trump, parte das organizadoras aponta para a organização em prol das eleições parlamentares que acontecerão ainda em 2018. Na ocasião, os eleitores norte-americano vão eleger senadores e deputados. Uma eventual vitória democrata poderia aumentar a pressão sobre a administração de Donald Trump.

    O presidente se manifestou no Twitter a respeito da marcha, dizendo que era um ótimo dia para celebrar as conquistas dos últimos 12 meses de seu governo. Ele afirmou que os Estados Unidos agora registram a menor taxa de desemprego feminino em 18 anos.

    Mais:

    Marcha das Mulheres: mais de 500 mil lotam as ruas de Washington em protesto contra Trump
    Ex-funcionário do Departamento de Estado: 'histeria antirrussa' sabotou a agenda de Trump
    Trump renova programa de vigilância da NSA
    Câmara vai liberar depoimento de ex-espião que fundamentou investigação contra Trump
    Tags:
    feminismo, Donald Trump, Nova York, Las Vegas, Washington, Los Angeles, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik