00:08 15 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    13310
    Nos siga no

    Ataques cibernéticos que ameaçam os EUA podem ser enfrentados com retaliação nuclear, informou o The New York Times. O uso de armas nucleares costumava ser restrito a um grupo pequeno de situações, como para responder um ataque de armas biológicas.

    No ano passado, o presidente dos EUA, Donald Trump, encomendou a produção de uma nova doutrina nuclear norte-americana. As versões preliminares do documento exigem um aumento maciço de estoques de armas nucleares, o desenvolvimento de ogivas nucleares de baixo rendimento e mísseis de cruzeiro com armas nucleares para uso dos submarinos da Marinha dos EUA.

    O uso de armas nucleares foi reservado apenas para os cenários mais extremos sob a política típica dos EUA. O projeto do novo código amplia a definição de circunstâncias extremas para "incluir tentativas de destruir infraestruturas de grande alcance, como a rede elétrica ou as comunicações de um país, que seriam mais vulneráveis ​​às células cibernéticas", observa o jornal.

    A nova política coloca adequa o uso de armas nucleares "a avaliação realista das ameaças que enfrentamos hoje e as incertezas quanto ao futuro ambiente de segurança", afirma o projeto.

    A versão ainda não foi aprovada pelo presidente. O Pentágono afirmou que a estratégia, publicada pela primeira vez pelo Huffington Post, ainda era um rascunho e carecia de uma decisão de Trump.

    "Quase tudo sobre essa nova e radical política vai deixar o limite entre o uso de armas nucleares e convencionais mais borrado", avaliou Andrew Weber, ex-secretário assistente do Pentágono. Se Trump aprovar a estratégia, "tornará a guerra nuclear muito mais provável", completou o analista.

    Tags:
    míssil de cruzeiro, ogiva nuclear, armas nucleares, hackers, ataque cibernético, ataque a bomba, The Huffington Post, The New York Times, Marinha dos EUA, Pentágono, Andrew Weber, Donald Trump, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar