20:33 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Combatentes do ELN (foto de arquivo)

    Colômbia: ELN encerra cessar-fogo hoje, mas quer estender acordo

    © AFP 2018 / ELN's Portal Voces de Colombia
    Américas
    URL curta
    0 10

    O Exército de Libertação Nacional da Colômbia (ELN) termina hoje, à meia-noite, um cessa-fogo de 101 dias. No entanto, o líder do grupo rebelde afirma que há um consenso sobre a necessidade de estender o acordo, sgeundo informa a AFP.

    O Exército de Libertação Nacional da Colômbia (ELN) termina hoje, à meia-noite, um cessar-fogo que durou 101 dias. No entanto, o líder do grupo rebelde afirma que há um consenso sobre a necessidade de estender o acordo, segundo informa a AFP.

    O fim do prazo acontece ao mesmo tempo em que conversas entre o governo da Colômbia e os rebeldes acontecem no país vizinho, Equador.  

    Nesta terça-feira, após 2.400 horas, o cessar-fogo, que durou 101 dias, chega ao fim", disso o líder do ELN, Pablo Beltran, apontando que há um consenso nas negociações sobre a necessidade de uma extensão do acordo.

    Beltran disse esperar que haja nenhum "erosão" no cessa-fogo antes que a extensão posa ser confirmada.

    Entretanto, ele alertou suas forças para que fiquem a postos acerca de possíveis "operações ofensivas" do exército colombiano. 

    "Nós chegamos a um momento importante, que é o do desenvolvimento de conversas durante o cessar-fogo. Nós tentaremos manter isso. Enquanto isso, esperamos que não haja nenhuma ocorrência de conflito", afirmou o líder.

    Os dois lados disseram de forma separada que querem a continuidade do cessar-fogo, mas o acordo ainda não foi fechado devido a acusações mútuas de violações dos pontos acordados.

    Tanto o ELN quanto o governo do presidente Juan Manuel Santos tem se acusado de violações do acordo desde que a trégua começou, em 1º de outubro.

    O ELN recentemente reconheceu o assassinato de um governante indígena, pelo qual pediram perdão ao povo colombiano.

    Por outro lado, os rebeldes acusaram as forças de segurança pelo assassinato de 7 fazendeiros de coca, além de operações militares realizadas em áreas de influência do ELN.

    Um soldado do exército colombiano passa na frente de uma fila de guerrilheiros das FARC e do ELN
    © AP Photo / Christian Escobar Mora
    No entanto, não houve notícias de confrontos entre o exército e os rebeldes, o que nunca havia acontecido durante um período tão longo ao longo da história do conflito na Colômbia.

    O pacto com o ELN poderia ser o último capítulo de meio século de conflito na nação sul-americana, logo após o acordo de paz com as FARC, que rendeu ao presidente Santos um prêmio Nobel da Paz, em novembro de 2016.

    O ELN tem cerca de 2 mil homens em suas fileiras.

    Sob o acordo de paz, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, as FARC, se desarmaram, desmobilizaram seus combatentes e se transformaram em um partido político, usando o mesmo nome.

    O longo conflito interno da Colômbia já vitimou cerca de 8 milhões de pessoas, incluindo mortos e desabrigados.

    Mais:

    Explosão de granada deixa 30 feridos em boate na Colômbia
    Em 2 décadas Rússia forneceu à Colômbia armamentos no valor de US$ 500 milhões
    Colômbia: empresários poderão pagar parte de seu imposto de renda com obras públicas
    Trump pede que Santos combata tráfico de drogas na Colômbia
    Tags:
    grupos rebeldes, acordos de paz, ELN, Pablo Beltran, Juan Manuel Santos, Equador, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik