13:19 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    211
    Nos siga no

    Presidente dos EUA, Donald Trump anunciou alegadamente sua prontidão para cooperar com o procurador especial, Robert Mueller, que pretende falar com o líder norte-americano como parte da sua investigação à suposta intervenção russa nas eleições presidências de 2016 nos EUA.

    Segundo a informação das fontes citadas pelo The Washington Post, os advogados de Trump, John Dowd e Jay Sekulow, foram informados no fim de dezembro sobre a intenção de Mueller de encontrar-se com Trump. No entanto, destaca a edição, os advogados estão tentando evitar o interrogatório.

    Contudo, o jornal The Washington Post, citando fontes próximas à situação, informa que o presidente norte-americano pode se encontrar com o procurador especial já nas próximas semanas.

    Uma fonte afirma que tudo "está decorrendo mais rápido do que se pensa" e que Trump está preparado para o interrogatório que, segundo ele espera, "porá fim às questões a respeito da sua campanha ter sido coordenada com a Rússia nas eleições de 2016".

    Mais cedo, o The Washington Post havia informado que a investigação sobre a suposta ligação entre Moscou e a campanha eleitoral de Donald Trump poderia durar durante todo o ano.

    O presidente Trump tem negado por várias vezes sua ligação com Rússia e chamou a investigação de Mueller de "caças às bruxas".

    Na semana passada, o presidente declarou que não "ocorreu nenhum conluio, nenhum crime e teoricamente todo o mundo me diz que não estou sob investigação".

    "Poderíamos fazê-lo de duas maneiras. Poderíamos ter ficado muito fechados e isto demoraria anos. Mas, sabem, como você não fez nada errado, sejamos francos e acabemos logo com isso", disse Trump quando questionado sobre seu possível encontro com Mueller.

    Na segunda-feira (8), o senador norte-americano Richard Blumenthal disse à CNN que o encontro a sós de Trump com Mueller é necessário e o momento em que ele acontecer é importante, dado que antes do encontro tem que se recolher o maior número possível de evidências sobre a "pista russa" nas eleições.

    O senador acrescentou que o FBI está encontrando cada vez mais evidências de "obstrução da justiça" e que estas podem ser usadas contra funcionários da Casa Branca.
    A Rússia negou por várias vezes as acusações "infundadas" sobre a suposta intervenção de Moscou no processo eleitoral norte-americano para influenciar o resultado das eleições, acrescentando que não foram apresentadas nenhumas provas.

    Mais:

    Zakharova: diretor da CIA mente quando fala em interferência russa em eleições
    Rússia dá como 'esgotada' a questão da suposta interferência russa nas eleições dos EUA
    Segurança dos EUA: não houve interferência da Rússia nas eleições de 2016
    Tags:
    intervenção externa, interrogatório, eleições, Donald Trump, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar