09:18 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Donald Trump, presidente dos EUA

    Sendo um 'idiota' na Casa Branca: Tudo o que você precisa saber do livro que abalou os EUA

    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Américas
    URL curta
    11100
    Nos siga no

    Depois de conhecer fragmentos do livro Fogo e Fúria: Dentro da Casa Branca de Trump, o presidente dos Estados Unidos declarou que o autor mente e seus advogados exigiram que a editora não a colocasse a publicação à venda e pedisse desculpas.

    Tema principal da mídia americana nos últimos dias, o livro foi escrito pelo jornalista Michael Wolff e é uma crônica detalhada do que aconteceu na Casa Branca durante o primeiro ano da Presidência do multimilionário Donald Trump.

    Wolff, que afirma ter passado muitos meses na Casa Branca e entrevistado várias centenas de pessoas, descreve a administração do Trump como uma organização caótica e não sistemática na qual todos competem uns com os outros por sua influência sobre o presidente e ninguém o respeita.

    Por que é tão escandaloso?

    Depois de conhecer alguns fragmentos do livro — já se espalhou por vários meios —, Trump não só declarou que o autor do livro está mentindo, mas pediu a seus próprios advogados que exigissem que o editor não o colocasse à venda e pedisse desculpas, informou o jornal The New York Times.

    Mas o que enfureceu o presidente tanto?

    Em seu livro, Wolff afirma que os próprios apoiadores do presidente acreditavam que sua equipe não iria ganhar as eleições presidenciais e ficaram surpresas quando ficou claro que Trump havia triunfado. Além disso, ele diz, nenhum deles tinha alguma ideia de como administrar o país, e eles realmente não pensaram em como fazê-lo.

    Os conselheiros, subordinados e até amigos de Trump, diz o autor, não respeitam o presidente. Além disso, muitos deles o chamam de "burro", "idiota" e "estúpido", diz ele, citado pelo The New York Times.

    Para suportá-lo, Wolff cita vários episódios em que Trump realmente parece incompetente: por exemplo, seu ex-conselheiro, Sam Nanberg, diz que quando ele tentou explicar a Constituição dos EUA, o chefe de Estado deixou de ouvi-lo após a quarta emenda.

    Na administração Trump, de fato, não havia estrutura, diz Wolff. De acordo com o livro, o chefe de administração formal, Rins Pribus, bem como o principal ex-estrategista, Steve Bannon, a filha de Trump, Ivanka e seu marido, Jared Kushner, tiveram acesso direto ao presidente e lhe deram ordens que muitas vezes se contradiziam. Bannon, no início, pensou mesmo que era ele quem controlava o país.

    A fonte dos vazamentos da administração é muitas vezes o próprio Trump. De acordo com Wolff, todas as noites, o presidente falou por horas no telefone com seus amigos e conhecidos e compartilhou com eles as notícias e emoções de sua vida no gabinete oval. Muitos dos interlocutores do presidente, por outro lado, não tinham motivos para manter o segredo sobre o que aprenderam.

    O autor cita Bannon, que descreve uma reunião realizada em 2016 na Trump Tower, entre um advogado russo, o filho do presidente e seu genro, Jared Kushner, e o qualifica como "traidor".

    Ele sustenta que Kushner e Ivanka Trump já planejam que a própria filha do presidente tentará se tornar presidente.

    Wolff também insinua que Trump tem problemas de saúde mental. Por exemplo, o jornalista afirma que o presidente tende a repetir as mesmas histórias várias vezes em uma conversa de apenas meia hora.

    É possível acreditar nisso?

    No entanto, não está claro se é possível caracterizar todas as informações apresentadas no livro como confiáveis, uma vez que faz pouca referência a fontes específicas. Além disso, durante várias décadas de sua carreira, o jornalista foi repetidamente acusado de interpretar mal seus entrevistados.

    Assim, várias pessoas no livro negam que já disseram o que Wolff atribui a eles. O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, por exemplo, disse que nunca falou com o genro de Trump sobre como a inteligência britânica poderia ter espionado a sede da campanha presidencial de Trump.

    "Este é um fake completo do começo ao fim", disse Blair, citado pelo jornal The Guardian.

    A ex-vice-chefe da administração Trump, Katie Walsh, disse a um repórter do Yahoo News que nunca comparou Trump a uma criança, em qualquer conversa com Wolff. Entretanto, a esposa do presidente, Melania Trump, disse que ela não estava decepcionada quando seu marido ganhou as eleições, de acordo com o Washington Examiner.

    Os representantes de dois conselheiros Trump e um porta-voz do Tesouro dos EUA também garantiram que aqueles nunca disseram as palavras atribuídas a eles.

    Além disso, a história de Trump e da Constituição foi narrada por um homem que anteriormente se gabava da imprensa por inventar notícias falsas.

    Wolff reconhece no prefácio de seu livro que muitas vezes ele era difícil distinguir a verdade da ficção, já que alguns de seus interlocutores disseram coisas diretamente contrárias aos outros, e muitos simplesmente mentiram. O autor ainda argumenta que, em alguns casos, ele deixou explicações contraditórias no texto para que o próprio leitor possa decidir qual deles ele toma para ser confiável.

    Entretanto, a editora Henry Holt and Co. informou que o livro seria comercializado não no dia 9 de janeiro, conforme previsto, mas a partir do dia 5. Desde os últimos dias, a publicação já está em primeiro lugar na lista de sucessos de vendas da plataforma de compras on-line da Amazon.

    Mais:

    Segredo do penteado de Trump é desvendado
    Twitter se esquiva de acusações e diz que Trump não violou regras ao ameaçar Kim Jong-un
    Trump rebate Kim e diz que o seu botão nuclear é maior, mais poderoso e funciona
    Tags:
    gafe, política, Casa Branca, Tony Blair, Melania Trump, Steve Bannon, Ivanka Trump, Jared Kushner, Rins Pribus, Michael Wolff, Donald Trump, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar