16:13 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Lançamento de míssil balístico Minuteman III (foto de arquivo)

    Guerra nuclear com a Coreia do Norte está 'mais perto do que nunca', diz almirante dos EUA

    © AP Photo / Foto de arquivo, Força Aérea dos EUA
    Américas
    URL curta
    171319

    Os Estados Unidos estão mais próximos do que nunca em uma guerra com a Coreia do Norte, acredita o almirante da reserva do país, Michael Mullen.

    O militar foi chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA entre 2007 e 2011, e declarou em um programa da rede ABC que ele não vê qualquer solução diplomática possível para a disputa com Pyongyang sobre suas crescentes capacidades nucleares.

    "Naturalmente, estamos mais perto do que nunca, na minha opinião, de uma guerra nuclear com a Coreia do Norte e na região", afirmou, citado pelo jornal britânico The Telegraph. "Não vejo nenhuma oportunidade de resolver este problema diplomaticamente neste momento específico".

    Mullen avaliou que a crise atual em torno da Península da Coreia é um exemplo do "clima perigoso" criado pelo presidente dos EUA, Donald Trump, na tentativa de reverter a abordagem tradicional da política externa de Washington.

    No entanto, o almirante aposentado admitiu que a atitude do secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, restringiu o presidente.

    Trump ameaçou a Coreia do Norte com "destruição total" no caso dos EUA serem forçados a se defender ou a seus aliados na Ásia-Pacífico. Todas as opções "estão na mesa", afirmou várias vezes o presidente estadunidense a alguns de seus subordinados.

    Enquanto isso, as autoridades sul-coreanas interceptaram dois navios com bandeiras de Hong Kong (China) e Panamá dirigindo-se para as costas da Coreia do Norte nos últimos dias de dezembro, suspeitando que poderiam transportar derivados do petróleo, o que significaria uma violação de sanções internacionais.

    Para realizar esses movimentos, Seul baseou-se na recente resolução do Conselho de Segurança da ONU aprovada por unanimidade em 22 de dezembro passado, que busca limitar o acesso de Pyongyang aos produtos necessários para desenvolver seu programa de mísseis balísticos.

    Mais:

    Rússia nega fornecimento ilegal de petróleo à Coreia do Norte
    No ano que vem, a Coreia do Norte continuará aumentando seu potencial nuclear
    'Coreia do Norte não pode recuar, ela vai se defender até o final'
    Tags:
    diplomacia, programa nuclear, guerra nuclear, guerra, Conselho de Segurança da ONU, Michael Mullen, Donald Trump, James Mattis, Pyongyang, China, Coreia do Norte, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik