04:04 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Seringas por todos os lados

    Epidemia de opioides é uma das causas de queda na expectativa de vida nos EUA

    © AP Photo / Charles Krupa
    Américas
    URL curta
    791

    Pesquisadores da área da saúde alertam para o fato de que a expectativa de vida nos EUA caiu pelo segundo ano consecutivo, uma mudança em um quadro de aumento constante da longevidade que vinha crescendo desde 1963 no país.

    A causa? A epidemia de opioides, entre outras coisas. De acordo com o Centro Nacional de Estatísticas de Saúde, um bebê nascido nos Estados Unidos em 2016 tinha a expectativa de viver 78,6 anos, o que mostra diminuição de quase um mês em comparação com 2015 e dois meses em relação a 2014.

    Embora a diferença de um mês possa não parecer muita coisa, ela reflete uma tendência trágica para o país. A expectativa de vida nos EUA não diminuía por dois anos seguidos desde 1962-1963, quando aumentos de mortes por gripe foram as causas prováveis, segundo Robert Anderson, chefe do departamento de estatísticas de mortalidade do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde dos Estados Unidos.

    "Nós vemos ocasionalmente uma queda de um ano, mesmo que isso não aconteça muitas vezes, mas dois anos seguidos é bastante impressionante", disse Anderson, de acordo com jornal britânico The Guardian. "E a principal causa disso é o aumento da mortalidade por abuso de drogas".

    Essa mudança local difere da média global. Enquanto a expectativa de vida nos EUA caiu, no resto do mundo ela continua subindo.

    "Se você olha os outros países desenvolvidos no mundo, eles não estão vendo esse tipo de coisa. A expectativa de vida está aumentando", diz Anderson.

    Ele também apontou que a queda da expectativa de vida aconteceu mesmo com os EUA tendo uma das maiores taxas de gastos mundiais em cuidados médicos por pessoa.

    Mais de 42 mil estadunidenses morreram de overdoses de opioides em 2016, um aumento de 28% em relação a 2015, segundo as estatísticas do Centro. No total, as mortes de 63,6 mil estadunidenses foram atribuídas a overdoses de drogas, um aumentando em 21% no total.

    Em 2016, quando o Washington Post relatou pela primeira vez a nova tendência, os especialistas apontaram que houve crescimento do número de casos de alcoolismo, abuso de drogas e suicídios, problemas conhecidos como "doenças do desespero". 

    Enquanto isso, as mortes por doença cardíaca, a principal causa de morte nos EUA, de acordo com o Centro Nacional de Estatísticas de Saúde, caíram pelo sexto ano consecutivo. Mesmo assim, a queda não foi suficiente para compensar o aumento dos casos de morte por abuso de drogas, diz Anderson.

    Os cinco estados com as piores taxas de mortalidade são a Virgínia Ocidental, onde morreram de overdose 52 pessoas a cada 100 mil mortes, quase o triplo da média nacional, seguido por Ohio, New Hampshire, Pensilvânia e a cidade de Washington, DC. Estes últimos, todos com 38 mortes por overdose para cada 100 mil óbitos.

    Mais:

    Polícia americana descobre esquemas de tráfico de drogas e armas no Facebook
    Proibição das drogas traz lógica de 'campos de guerra' ao Rio, diz delegado
    Política de drogas de Obama fracassou e aumentou em 40% as mortes induzidas por tóxicos
    Tags:
    crise dos opióides, Centro de Estatísticas de Saúde, Robert Anderson, Vírginia Ocidental, New Hampshire, Ohio, Pensilvania, Washington, DC, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar