08:19 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Jornadas de violentas protestas en Argentina ante la propuesta de reforma jubilatoria discutida en el Congreso Nacional, Buenos Aires, 18 de diciembre de 2017

    Argentina: três dias de protestos contra a reforma da previdência (VIDEOS, FOTOS)

    © AP Photo / Victor R. Caivano
    Américas
    URL curta
    620
    Nos siga no

    Na terça-feira, 19 de dezembro, ao amanhecer (hora local), o Congresso argentino aprovou a reforma da previdência, rejeitada por grande parte da população, que demonstrou a sua insatisfação nas ruas.

    A primeira manifestação ocorreu ainda no dia 14 de dezembro, quando milhares de argentinos lotaram a Praça do Congresso, enquanto o projeto de lei estava sendo debatido na Câmara dos Deputados. No entanto, devido aos distúrbios, a sessão foi suspensa. De acordo com o jornal La Izquierda, dois membros da Coordenação de Trabalhadores da Economia Popular (CTEP) ficaram gravemente feridos: um precisou remover um olho e um outro perdeu a visão.

    Finalmente a votação foi marcada para o dia 18 de dezembro. Durante o dia, os opositores da reforma ocuparam os arredores do Parlamento e mais incidentes de violência foram registrados, com 162 feridos (88 policiais e 74 civis), segundo Telam. Naquele dia, as tropas da polícia foram amplamente derrotadas pelos manifestantes, como mostram as imagens:

    Por outro lado, o presidente Maurício Macri visitou um dos policiais no hospital e publicou seu apoio às forças de segurança em sua conta no Facebook:

    A votação foi durou até a madrugada do dia 19 de dezembro, enquanto milhares de pessoas sem bandeiras políticas ocuparam novamente as proximidades do Congresso argentino. Por volta das 3hs da manhã (hora local), a Polícia dispersou os manifestantes, que em poucos minutos desocuparam as ruas.

    ​Depois da aprovação

    Após a vitória do governo e da aprovação da reforma, mais uma vez, na noite do dia 19 e início da manhã de 20 de dezembro, as panelas ressoaram das janelas dos edifícios e depois pelas ruas da capital.

    Centenas de cidadãos voltaram a comparecer perante o Parlamento para expressar seu repúdio. Além disso, uma nova reforma proposta pelo governo foi debatida no Congresso: a reforma tributária.

    Vale ressaltar que o presidente ainda pode vetar as leis aprovadas pelo legislativo. Isso dificilmente acontecerá, porém, segundo especialistas.

    Em maio de 2016 Macri vetou a lei de emergência trabalhista, que proibia as demissões diante da crise de desemprego no país.

    Apesar do veto ter sido contra os trabalhadores, alguns manifestantes tentam exercer pressão social nas ruas para rever a aprovação da reforma da previdência, embora Macri já tenha dito à imprensa que a "reforma defende os aposentados".

    Enquanto isso, as organizações sociais, partidos políticos e sindicatos na Argentina organizam novos protestos contra o pacote proposto por Macri, no qual também está prevista a reforma trabalhista, ainda a ser debatida no Congresso.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar