13:43 22 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Soldado norte-americano em frente ao caça Lockheed Martin F-35 dos EUA

    EUA ampliarão bases aéreas na Europa para conter 'agressão russa'

    © AFP 2019/ CHRISTOPHE ARCHAMBAULT
    Américas
    URL curta
    215

    O Pentágono planeja gastar mais de 200 milhões de dólares (cerca de 657 milhões de reais) para ampliar bases aéreas dos EUA em países europeus, escreve o jornal The Times.

    Conforme a edição, a decisão de Washington é uma resposta à preocupação dos comandantes norte-americanos na região que começaram recentemente a avisar sobre a necessidade de "conter" a agressão da Rússia.

    Estados Unidos visam aumentar a presença militar na Europa para "conter a Rússia". No novo orçamento do Pentágono, mais de 200 milhões de dólares serão destinados para ampliar as bases aéreas na Estônia, Letônia, Hungria, Noruega, Romênia e na Eslováquia. Como resultado, norte-americanos planejam posicionar na região caças furtivos F-22 e F-35, escreve o jornal.

    Segundo o The Times, os planos de Washington em caso de conflito europeu foram revisados por causa da "anexação russa" da Crimeia, "agressão apoiada por Moscou" na Ucrânia e receios quanto à segurança dos países bálticos.

    O presidente norte-americano, Donald Trump, várias vezes deu a entender que quer melhorar as relações com o seu homólogo russo, Vladimir Putin. Contudo, em sua nova Estratégia de Segurança Nacional, a Rússia está na lista dos países que representam "maior ameaça" aos EUA.

    O dinheiro complementar do Pentágono será alocado para a Iniciativa de Contenção Europeia. Em particular, 14 milhões de dólares (46 milhões de reais) vão ser usados na construção de instalação para o avião antissubmarino da Marinha dos EUA, o Poseidon, na base islandesa Keflavík.

    De acordo com The Times, o novo programa de Washington parcialmente corresponde à preocupação dos comandantes norte-americanos na Europa, que começaram recentemente a avisar sobre a necessidade de "conter agressão russa".

    "Temos que lidar com a volta da Rússia, mas 26 anos de operações incessantes de combate são sentidos", declarou o porta-voz da Força Aérea dos EUA, general-major James Martin. Segundo ele, desde o "sucesso incrível" na guerra no Iraque em 1991, a aviação norte-americana mudou imensamente: na época o Pentágono contava com 134 esquadrilhas, hoje são 55.

    Para reforçar a contenção, o comando norte-americano pede ao governo 4,8 bilhões de dólares (15,8 bilhões de reais) para o ano seguinte. Os primeiros F-35 já chegaram à base britânica em Suffolk, de onde ataques aéreos serão efetuados em caso de crise, diz-se no The Times.

    No entanto, o crescimento dos investimentos na defesa sem precedentes desde os tempos da Guerra Fria se tornou tendência mundial. Especialistas preveem que investimento global no exército vá corresponder a 1,67 trilhão de dólares em 2018 (5,5 trilhões de reais).

    Mais:

    Saiba de que maneira Rússia consegue preservar paridade nuclear com EUA
    Coalizão liderada pelos EUA nega manter fundador do Daesh em base na Síria
    EUA gastarão mais de US$ 200 milhões para modernizar suas bases aéreas no Leste Europeu
    Tags:
    anexação, agressão russa, despesas, orçamento militar, F-22, F-35, Pentágono, Europa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar