21:50 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    F-22 Raptor da Força Aérea dos EUA

    Qual é a maior desvantagem do 'caça mais mortífero' dos EUA perante Su-35 russo?

    © REUTERS / Master Sgt. Kevin J. Gruenwald
    Américas
    URL curta
    15263

    O conflito na Síria revelou uma série de desvantagens dos F-22, os caças mais novos dos EUA, informa o Business Insider.

    O problema principal é que nas condições existentes eles estão privados de furtividade e perdem perante os caças russos em combate aberto, afirma a edição.

    Na semana passada, 2 caças norte-americanos F-22 interceptaram Su-25 e Su-35 russos nos céus da Síria, indica o Business Insider. Este incidente mostrou desvantagens consideráveis dos aviões de combate norte-americanos.

    O F-22 com suas tecnologias stealth e manobrabilidade impressionante é o "caça mais mortífero" de produção norte-americana. O caça é especializado em combate aéreo, afirma o autor do artigo.

    Mas em condições reais a sua capacidade de invisibilidade não dá grandes vantagens e ainda cria obstáculos, porque ao se aproximar de qualquer objeto voador o F-22 não pode mostrar o seu armamento, que está escondido dentro de sua fuselagem.

    Para além do mais, o Su-35 pode transportar mais mísseis a bordo e se destaca por sua maior manobrabilidade, indica a edição. Se durante a intercepção a situação piorar bruscamente e os caças entrarem em combate, o Su-35 teria vantagens significativas.

    O problema é que a eficiência do F-22 depende da sua invisibilidade. No cenário ideal ele deveria iniciar o combate e acabá-lo imediatamente, ao mesmo tempo permanecendo invisível, mas quando o caça entra no campo de visão do inimigo, ele fica privado dessa vantagem.

    Mais:

    Militar norte-americano explica ineficiência dos caças F-22 que operam na Síria
    Batalha do século: F-22 vs Su-57, qual tem mais chances de vencer?
    Tags:
    aviação militar, combate, invisibilidade, capacidade militar, vantagens, caça, Su-35, F-22, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar