10:00 17 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Sebastián Piñera, candidato a la presidencia y exmandatario (2010-2014) chileno

    Polêmica: transgêneros são corrigíveis com a idade, diz presidenciável chileno Piñera

    © AP Photo/ Jacquelyn Martin
    Américas
    URL curta
    232

    O ex-presidente do Chile e atual candidato nas eleições, Sebastián Piñera, disse nesta quinta-feira em um debate presidencial que muitos dos casos de crianças transgêneros "são corrigidos com a idade", o que gerou várias críticas.

    "Muitos casos desses transgêneros são corrigidos com a idade, portanto, temos de agir, devemos respeitá-los e cuidar deles", disse o ex-presidente no debate de rádio organizado pela Associação de Radiodifusores do Chile (Archi), na qual também participou o candidato da coalizão governamental da Nova Maioria, Alejandro Guillier (centro-esquerda).

    Em uma de suas intervenções, Piñera (que representa a direita no pleito) falou sobre a situação das crianças transgêneros e as medidas que ele implementaria em seu eventual governo para lidar com essa questão, sobre a qual ele disse que "não podemos fingir que o gênero é algo que é absolutamente mutável todos os dias, apenas a vontade das pessoas".

    Suas palavras foram depois criticadas por diferentes setores, como o Movimento de Libertação Homossexual (Movilh), que escreveu em sua conta da rede social Twitter que Piñera "faltou à verdade e insultou os filhos trans".

    "A identidade de gênero não é corrigida, não há estudo científico que respalda as declarações ofensivas do candidato, falar sobre corrigir a identidade das crianças é desumano, mais respeito!", disse a organização.

    Por sua vez, o deputado eleito da Frente Ampla, Pamela Jiles, escreveu na mesma rede social que "a identidade de gênero não é corrigida, Sr. Piñera, a sua será a única que corrige com a idade em toda a espécie humana".

    Mais críticas

    Ernesto Velasco, presidente do Partido Radical (centro-esquerda) pertencente à Nova Maioria, disse à Radio Biobío que as palavras de Piñera eram "primitivas e pré-históricas".

    "Ele expressa falta de humanidade, tolerância. Tudo é um número e números, nos quais somos praticamente parte de uma lista de supermercado", disse ele.

    A deputada comunista Camila Vallejo disse através da sua conta do Twitter que "as pessoas trans não se corrigem, a transição é do seu direito e é nosso dever como deputados e um futuro governo garantir que possam fazê-lo sem ser patologizado, questionado ou humilhado. Não a mais transfobia!".

    Finalmente, após o debate, Guillier referiu-se às declarações de Piñera através da mesma rede social.

    "As pessoas transexuais não estão doentes ou têm defeitos que são 'corrigidas' ao longo do tempo, são pessoas que exigem igualdade de direitos, uma sociedade que os respeita e um Estado que facilita uma vida digna", afirmou.

    A eleição da segunda volta presidencial entre Piñera e Guillier será realizada no Chile no próximo domingo 17 de dezembro.

    Mais:

    Perigo à vista? Geleira do Chile perde parte 'considerável' (FOTOS)
    Vice-presidente do Parlamento da Venezuela entra na embaixada do Chile em busca de asilo
    Chile condena 35 militares por sequestro e tortura de mulher grávida durante ditadura
    Tags:
    transgêneros, humanidade, preconceito, homofobia, direitos humanos, eleições chilenas, Alejandro Guillier, Sebastián Piñera, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik