07:56 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira dos EUA

    Anos de enganos e duplicidade ou como EUA perderam a credibilidade

    © AFP 2019 / Josh Edelson
    Américas
    URL curta
    17352

    Os fracassos da diplomacia norte-americana e a aparente incapacidade dos EUA de servir como garante da estabilidade nos assuntos mundiais mais agudos é um resultado direto de anos de engano e falsidade nas relações internacionais, assim opina Ted Galen Carpenter, pesquisador do Cato Institute especializado em política externa.

    A credibilidade e a fiabilidade são dois pilares de uma diplomacia bem-sucedida, já que muito poucos países estariam dispostos a negociar e procurar compromissos com uma parte que mal os respeita.

    Várias administrações estadunidenses consecutivas ignoraram este princípio, deixando um legado de mentiras que prejudicaram toda a política externa do país, escreve Carpenter em um artigo para a revista The American Conservative.

    O autor vincula o atual beco sem saída diplomático em relação ao problema nuclear norte-coreano com uma longa história de violações dos acordos e não cumprimento de promessas por parte de Washington.

    "Durante a sua recente turnê asiática, o presidente dos EUA, Donald Trump, convidou o líder norte-coreano Kim Jong-un para a mesa de negociações e a 'fazer o que está certo', ou seja, renunciar às armas nucleares e ao programa de mísseis", lembra o autor.

    Pressupõe-se que uma tal concessão resultaria em levantamento das sanções e em uma relação mais normal com a comunidade internacional. Mas, infelizmente, Pyongyang tem uma vasta lista de razões para não confiar nestes apelos.

    Carpenter continua enumerando os casos mais destacados da duplicidade de Washington, que justificam a atitude cautelosa da Coreia do Norte.

    Primeiro, o acordo nuclear com o Irã, que, apesar de os outros participantes testemunharem que Teerã cumpre as condições acordadas, é criticado pelos EUA, um de seus promotores na época, e corre o risco de cessação por iniciativa de Donald Trump, com consequências pouco previsíveis deste passo.

    Segundo, o jornalista lembra o engano na Líbia, que demonstrou dois lados pouco agradáveis para os EUA.

    Um, é que o líder líbio Muammar Kadhafi aceitou terminar o programa nuclear em troca do levantamento das sanções econômicas. Sete anos mais tarde, os EUA e a OTAN interviram no conflito interno da Líbia do lado dos rebeldes, e seus ataques aéreos e de mísseis balísticos ajudaram na derrubada de Kadhafi e no posterior destino do país árabe.

    Outro, naquela época, o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução que previa restringir a intervenção militar com objetivo de proteger os civis. A China e Rússia, perante as declarações dos EUA de que se tratava mesmo de uma operação de segurança, não exerceram seu poder de veto da decisão. Mas o objetivo real — a derrubada de Kadhafi — se revelou apenas quando já começaram os bombardeios.

    O autor cita a declaração do secretário de Defesa, Robert Gates (2006-2011), sobre a reação de Moscou:

    "Os russos chegaram a pensar que eles tinham sido enganados na Líbia. Se abstiveram de vetar a resolução da ONU porque esta pressupunha a prevenção dos massacres […] mas logo ficou claro que a OTAN buscava derrubar Kadhafi. Considerando-se enganados, os russos começaram a vetar qualquer resolução parecida, incluído a da Síria dirigida contra o presidente Assad", afirmou Gates.

    Mais uma duplicidade é a expansão da OTAN para o leste. Moscou afirma ter aceitado a reunificação da Alemanha, sob condição de que a OTAN cessasse a expansão em direção às fronteiras da URSS.

    Dois altos funcionários, o secretário de Estado dos EUA, James Baker, e o ministro das Relações Exteriores da Alemanha Ocidental, Hans-Dietrich Genscher, ambos ofereceram garantias verbais de que a Aliança Atlântica se limitaria às fronteiras alemãs.

    Claramente, este não foi o caso, e a "explicação" dos EUA se baseia em que não há documentos formais que refiram tais garantias. Coisas dessas "não inspiram confiança entre os governos", destaca Carpenter.

    A invasão militar da Sérvia pela OTAN em 1999 — que uma Rússia enfraquecida não pôde impedir — levou à ocupação da região histórica sérvia de Kosovo. Nove anos mais tarde, a província decidiu oficialmente obter a independência de Belgrado.

    "Estava claro que a Rússia e, possivelmente, a China teriam vetado uma resolução a respeito no Conselho de Segurança. Assim, os EUA e seus aliados se esquivaram por completo à ONU e aprovaram a independência de Kosovo por sua própria conta", comenta o autor.

    Para os americanos, é doloroso admitir que seu país adquiriu uma reputação bem fundamentada de enganar em sua política externa, mas toda a evidência o demonstra, escreve Carpenter.

    Esta "história de duplicidade e traição" norte-americana está entre as razões por que é tão difícil resolver a crise norte-coreana através da diplomacia.

    "As ações têm consequências, e a reputação de Washington de ser pouco sincero tem complicado os objetivos dos próprios EUA na política externa. É um exemplo clássico de uma grande potência estar atirando no seu próprio pé", conclui o analista.

    Mais:

    Após quase 7 anos de guerra civil, EUA planejam construir bunkers na Síria
    EUA planejam manter presença militar na Síria para minar poder de Assad
    Deputado sírio: EUA querem invadir Síria como antes invadiram Iraque
    EUA não descartam novos ataques aéreos na Líbia
    EUA e aliados planejam outra invasão na Líbia
    Tags:
    política externa, diplomacia, Kosovo, Síria, Iraque, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar