03:54 21 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Delegações do governo e da oposição em Santo Domingo, na República Dominicana

    Presidente da República Dominicana: oposição e governo da Venezuela progridem no diálogo

    © Foto : Thomas Ramírez
    Américas
    URL curta
    414

    O governo e a oposição venezuelana avançaram em 4 dos 6 pontos da agenda de diálogo, informou o presidente da República Dominicana, anfitriã do processo, Danilo Medina, após nove horas de deliberações a portas fechadas na sede do ministério das Relações Exteriores deste país.

    "Hoje estamos lidando com problemas gerais, avançamos em 4 pontos, temos dois pendentes, amanhã (sábado), retomamos às 9hs da manhã e esperamos no final do dia ter conclusões sobre a agenda", acrescentou, durante uma coletiva de imprensa, da qual participou um correspondente da Sputnik Mundo.

    O presidente da República Dominicana foi o único que ofereceu declarações e recusou-se a fornecer detalhes sobre as questões abordadas e as que permaneceram pendentes para o dia seguinte.

    O encontro entre o governo da Venezuela e a oposição foi acompanhado por representantes da Bolívia, Nicarágua, Chile, México e São Vicente e Granadinas.

    A reunião foi realizada com total sigilo. Às 7hs30 no horário local a imprensa foi convocada ao local, cujas ruas laterais permaneceram interditadas durante tarde por medidas de segurança.

    Os primeiros a chegar foram os representantes dos países mediadores, entre eles, os chanceleres da Nicarágua, Denis Moncada; do Chile, Heraldo Muñoz; México, Luis Videgaray; o ministro do Planejamento de São Vicente e Granadinas, Camilo Gonçalves, e o ministro do Governo da Bolívia, Carlos Romero.

    Mais tarde, chegaram o ministro das Relações Exteriores da República Dominicana, Miguel Vargas, o ex-chefe de governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero (2011-2014) e a delegação do governo da Venezuela, liderada pelo ministro da Comunicação e Informação da Venezuela, Jorge Rodríguez.

    Ele foi acompanhado pelo Ministro da Educação, Elías Jaua, o Presidente da Assembléia Nacional Constituinte, Delcy Rodríguez, o Revisor do Governo Roy Chaderton, ex-Embaixador da Venezuela junto à Organização dos Estados Americanos (OEA) e o Secretário Executivo do Conselho Nacional dos direitos humanos, Larry Devoe.

    Por parte da oposição, a imprensa registrou a chegada do presidente da Assembléia Nacional (parlamento unicameral), Julio Borges, e o conselheiro eleitoral Vicente Díaz, mais tarde seis outros líderes da oposição chegaram, entre eles os deputados Luis Florido, Eudoro González e Enrique Márquez.

    O único a oferecer declarações à imprensa após sua chegada foi Borges, que descreveu como uma conquista que ministros de cinco países estão presentes no encontro entre o governo e a oposição venezuelana.

    "Para nós, como venezuelanos (…), é uma conquista ter tido hoje (sexta-feira) cinco ministros dos estrangeiros. Estamos aqui hoje para encontrar uma solução para os problemas na Venezuela", disse à imprensa o presidente da Assembleia Nacional, antes de entrar na reunião.

    Por volta de 1h da manhã tiveram inicio reuniões em separado entre as partes e os representantes dos países mediadores.

    Após essas conversações, o Ministro da Informação da Venezuela ofereceu declarações à imprensa para esclarecer que a principal demanda do governo neste processo é acabar com o bloqueio financeiro dos Estados Unidos.

    "Vamos ouvir o que a oposição tem a dizer, mas exigimos o fim imediato das agressões econômicas contra a Venezuela", disse Rodriguez.

    A delegação do governo da Venezuela acusou o Departamento de Tesouro dos Estados Unidos de ter "sequestrado os fundos pertencentes ao Governo da Venezuela e ao povo".

    Esta é a quinta vez que a delegação do governo visita a República Dominicana para conversar com a oposição. A primeira reunião aconteceu em 13 de setembro, depois no dia 15 do mesmo mês. As outras duas reuniões foram realizadas em 27 de outubro e em 16 de novembro.

    As conversações duraram toda a sexta-feira e terão continuidade durante este sábado, dia 2 de dezembro.

    Mais:

    Ativistas dos direitos humanos denunciam tortura e repressão a opositores na Venezuela
    Vice-presidente da Venezuela insinua que Maduro tentará a reeleição em 2018
    Ministro do Brasil alerta: intervenção estrangeira só agravará crise na Venezuela
    O que está por trás da 'falência seletiva' da Venezuela?
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar