16:43 18 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Submarino argentino ARA San Juan

    Desinformação e falhas: familiares de tripulação do San Juan criticam a Marinha argentina

    © AP Photo/ Marinha da Argentina
    Américas
    URL curta
    ARA San Juan: Argentina busca submarino perdido (41)
    110

    Os membros e amigos da Marinha argentina compõem uma instituição muito fechada em si mesma, disse María Itatí Leguizamón, esposa de um dos tripulantes 44 a bordo do submarino San Juan, que desapareceu onze dias atrás nas águas do Atlântico Sul, em uma entrevista exclusiva à Sputnik.

    "Eles são uma fraternidade", disse a mulher do cabo Germán Óscar Suárez, um dos tripulantes e responsável pelo sonar da embarcação.

    A mulher, uma advogada que vive em Mar del Plata, uma cidade litorânea na província de Buenos Aires (leste), se tornou a primeira pessoa próxima à tripulação a abordar, junto com os meios de comunicação, a Marinha argentina a respeito da administração a crise.

    Leguizamón vai quase todos os dias para a Marinha Naval Base, onde o navio San Juan é habitual presença e onde muitos parentes aguardam desenvolvimentos relativos ao submarino, que deveria ter atracado lá há uma semana.

    Ela percebe um certo desconforto entre outros parentes quando ela se aproxima do comando para saber, em primeira mão, sobre os posicionamentos oficiais fornecidos pela força naval.

    "Desconforto com certeza sim [foi detectado]. Vejo olhares, [mas] ninguém se atreve a me dizer nada", ela reconheceu. Isso acontece porque os membros e amigos da Marinha "morrem por sua instituição, ninguém vai dizer nada contra eles, mesmo que seja verdade", continuou.

    Todos eles formam "uma entidade, uma unidade, a chamada família naval e a instituição são uma única coisa", acrescentou.

    Seu marido, que tem 29 anos e é nascido na província de Santa Fé (centro-oeste), é um caso diferente, disse Leguizamón.

    "Ele gostava de trabalhar lá porque ele gostava da Marinha, mas não se sentia parte da comunidade como uma fraternidade fechada, porque ele era sempre diferente deles, mais espiritual", disse a advogada.

    Falha em 2014

    Segundo palavras de Leguizamón, algo que ela denunciou há alguns dias que o submarino San Juan, que foi se comunicou com terra pela última vez em 15 de novembro, quando ele estava 432 quilômetros da costa até o Golfo de San Jorge, teve um falha em 2014.

    "Nós estávamos em uma reunião informal com os colegas em um ponto eles comentaram, rindo: ‘Você viu que nesta emergência quase não conseguimos deixar a embarcação’", lembrou a mulher.

    Essas palavras foram dirigidas ao marido de Leguizamón, que na época era um dos mais novos entre a equipe. "Você nem percebeu", eles disseram a ele, porque Germán continuou como se nada tivesse acontecido, no seu sonar", ela mencionou.

    No momento da falha, a tripulação de San Juan "pensou em suas famílias, porque eles não podiam sair [do submarino] que teve um problema de propulsão, houve turbulência, mas de repente foi ativado o sistema de emergência e ele subiu", disse ela.

    Nenhum outro membro da tripulação novamente se referiu a este problema que o submarino teve há três anos, quando ele tinha acabado de passar por reparos extensivos entre 2008 e 2014, que incluiu um corte do casco.

    Dois membros do estaleiro público Tandanor, que participou dos reparos, disseram ao jornal local Página12 que se produziu "um momento de tensão" por conta da falha, mas que o problema teve origem em um período experimental após os reparos, que terminou em outubro de 2015.

    "Eu não confio nos reparos, eles sempre tiveram problemas com a bateria, eles tiveram falhas", disse Leguizamón.

    É por isso que "tripulação estava lá tem que falar, porque muitos tripulantes passam de um submarino para outro, e aqueles que estavam se transferindo naquele ano não são os mesmos como são agora", acrescentou.

    Consternação e confusão

    A esposa do cabo Suarez, da província de Formosa (norte), admitiu sua tristeza porque teme "que não o encontrarão".

    A Marinha informou na quinta-feira que uma explosão ocorreu três horas após a última comunicação do navio, a 48 quilômetros de onde seu último local foi localizado.

    "Nós todos nos desesperamos no momento, mas agora eles vêm com novas informações, que não há nada a dar como certo, e no final eu não sei o que pensar. Eu juro que é de enlouquecer a sério", disse ela.

    A única razão pela qual ela mora em Mar del Plata é o marido dela: "Toda a minha vida gira em torno dele, porque como ele estava trabalhando aqui, eu também vim", afirmou.

    Enquanto isso, ela sente que qualquer um pode manipular você psicologicamente "porque você não sabe se eles vão encontrar ou não".

    "Primeiro [digamos que] foi uma explosão, que não há nenhuma chance de vida, e [mesmo] a um familiar foram dadas condolências, embora não a nós, porque temos essa confiança com a pessoa [da Marinha] que dá à parte oficial", reconheceu.

    Nesse dilema, Leguizamón disse que a espera de qualquer novidade a deixa com uma incerteza asfixiante.

    Enquanto espera por notícias, "sempre que penso que vão encontrá-lo, mas não sei o que fazer, se eu começo a sofrer ou se faço uma cerimônia religiosa", concluiu.

    Treze países e mais de 4.000 pessoas estão envolvidos na busca do navio San Juan, um dos três submarinos que a Marinha argentina tem.

    Tema:
    ARA San Juan: Argentina busca submarino perdido (41)

    Mais:

    Familiar denuncia superlotação em submarino argentino desaparecido
    Submarino argentino San Juan teria sido atingido por uma mina naval, diz analista
    O que Rússia fará para ajudar nas buscas do submarino argentino San Juan?
    Tags:
    tragédia, submarinista, submarino, san juan, Marinha da Argentina, María Itatí Leguizamón, Germán Óscar Suárez, Santa Fé, Mar del Plata, Buenos Aires, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik