08:06 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira dos EUA em um dos navios da Marinha dos EUA

    Modernização militar: Marinha dos EUA recebe novo destróier dotado de sistema Aegis

    © AFP 2018 / NOEL CELIS/POOL
    Américas
    URL curta
    245

    O mais novo destróier de mísseis foi entregue para a Marinha dos EUA após uma série de testes bem-sucedidos, comunicou o Comando de Sistemas Navais dos EUA (NAVSEA, em inglês).

    O NAVSEA informou na quarta (15) que a Marinha dos EUA acaba de receber o destróier de mísseis USS Ralph Johnson (DDG 114), desenvolvido pela empresa Huntington.

    "O DDG 114 demonstrou com sucesso os seus sistemas navais e a prontidão durante uma série de treinamentos no mar e nos portos", indicou o comunicado de imprensa. 

    De acordo com o comunicado, o Ralph Johnson é dotado do sistema de combate Aegis Baseline 9, com capacidade IAMD (Defesa Antiaérea e Antimísseis Integrada), incorporando a Defesa de Mísseis Balísticos (BMD) 5.0 e o Controlo Marítimo Integrado Antiaéreo. 

    "Os destróiers Aegis Baseline 9 IAMD possuem capacidade computacional reforçada, bem como radares modernizados que reforçam as capacidades de deteção e reação contra os  modernos meios de combate antiaéreo e ameaças de mísseis balísticos", indicou o comunicado. 

    ​O destróier recebeu o nome de Ralph H. Johnson, um fuzileiro condecorado postumamente com a Medalha de Honra pelo seu heroísmo na guerra do Vietnã. Durante um combate, quando uma granada atingiu o local onde estava, ele cobriu-a com o seu corpo, salvando assim as vidas de soldados norte-americanos. 

    O navio de guerra deverá ainda ser comissionado oficialmente pela Marinha antes de entrar em serviço. 

    Mais:

    Destróier dos EUA 'conduz operação de liberdade de navegação' no mar do Sul da China
    Destróier dos EUA desafia 'reclamações excessivas' de Pequim no mar do Sul da China
    Tags:
    modernização, teste, capacidade, Marinha, navio, destróier, USS Ralph Johnson, Marinha, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik