09:07 22 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    U.S. President Donald Trump shakes hands with Philippines President Rodrigo Duterte during the gala dinner marking ASEAN's 50th anniversary in Manila, Philippines November 12, 2017

    Opinião: 'Apesar da retórica agressiva, Trump se manteve no roteiro durante viagem à Ásia'

    © REUTERS/ Jonathan Ernst
    Américas
    URL curta
    0 50101

    Em uma viagem de 12 dias para cinco diferentes nações asiáticas, o presidente dos EUA, Donald Trump pode até ter além de disparar alguns comentários sarcásticos, mas parece bastante domesticado de acordo com analistas.

    Falando à Rádio Sputnik, o co-apresentador do programa de rádio "Loud and Clear" John Kiriakou, observou que Trump "ficou dentro do roteiro" durante a maior parte de viagem ao exterior.

    "Os presidentes se preparam com semanas de antecedência, eles viajam com enormes pacotes de informações de inteligência para prepará-los e geralmente permanecem no roteiro", disse Kiriakou. "[Trump] fez alguns desvios, ele escreveu uns dois tweets idiotas, mas ao fim e ao cabo, se você olha para o que ele disse em diferentes cúpulas e encontros, foi o que seus assessores lhe disseram para dizer".

    "Eu não acho que vimos nenhum movimento diplomático ousado, eu realmente não vejo nada diferente do que qualquer outro presidente realizou".

    Havia potencial para o acirramento de uma rivalidade global com a China, mas, apesar das críticas do presidente ao déficit comercial dos EUA com o gigante asiático, a relação entre Pequim e Washington não foi enfraquecida pela presença de Trump no solo chinês.

    "A retórica de Trump é uma coisa. Você pode criticar os chineses e criticar o déficit comercial, o que é idiota porque isso realmente não importa, mas a verdade é que temos que trabalhar com os chineses", observou Kiriakou. "Até mesmo Donald Trump entende isso".

    Amizade polêmica

    Mais enervante é o que parece ser o relacionamento incipiente entre Trump e o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, acusado de permitir o assassinato extrajudicial de milhares de pessoas no decurso de uma guerra cruel contra as drogas. O republicano classificou como um "excelente relacionamento", mas para Kiriakou, a postura não é "saudável".

    "O [relacionamento] não é saudável. Nós já sabemos que Donald Trump é atraído por homens fortes, ele é atraído por pessoas que exibem esse tipo de tendências autoritárias ou mesmo fascistas".

    Kiriakou observou que, em um "nível pessoal estranho e insalubre, existe essa admiração mútua entre Trump e Duterte".

    O sentimento pode ser mútuo: "Você é a luz no meu mundo, metade desse coração meu", Duterte cantou para Trump em uma serenata bizarra durante uma festa da Associação de Nações do Sudeste Asiático que fazia parte da turnê do presidente dos Estados Unidos.

    No entanto, o relacionamentos pode colapsar rapidamente, através do relatório anual de direitos humanos exigido pelo Congresso publicado pelo Departamento de Estado dos EUA. Kiriakou que o Congresso pode moldar como o governo Trump irá lidar em relação a Duterte no futuro.

    "Estou ansioso para ver em março [2018], quando o relatório de 2017 será divulgado, o que exatamente a Casa Branca Trump vai permitir ao Departamento de Estado dizer sobre as Filipinas e Duterte", disse Kiriakou.

    Mais:

    Trump e Abe apelam à Rússia e China para aumentarem pressão sobre Pyongyang
    China espera que visita de Donald Trump seja 'um sucesso histórico'
    Opinião: 'Trump não se decide sobre como tratar a China'
    Donald Trump violou a lei da China? (FOTOS)
    Tags:
    Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), Congresso dos EUA, Departamento de Estado dos EUA, Rádio Sputnik, Rodrigo Duterte, Donald Trump, John Kiriakou, Washington, Pequim, Filipinas, Estados Unidos, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik