14:21 17 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    124
    Nos siga no

    O protecionismo europeu sobre o agronegócio, um dos maiores empecilhos para assinatura de um acordo entre o Mercosul e a União Europeia há vários anos, se repete agora entre dois sócios do bloco sul-americano. O Brasil anunciou que vai suspender temporariamente a importação de leite e derivados do Uruguai.

    A notícia foi dada pelo ministro da Agricultura e Pecuária, Blairo Maggi, após reunião com representantes da Frente Parlamentar Agropecuária. A alegação do governo brasileiro é que o Uruguai, além dos grandes volumes, está exportando também produtos lácteos de outros países, se beneficiando da isenção de cobrança de tarifas entre os países do bloco. O governo uruguaio nega a acusação e diz que a decisão é injustificável e vem no momento em que o bloco tenta negociar abertura de novos mercados.

    A suspensão das importações está sendo comemorado pelos produtores nacionais, em especial os do Sul do país. Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, Ernesto Krug, vice-presidente da Associação Gaúcha de Laticinistas e Laticínios do Rio Grande do Sul e diretor do Instituto Gaúcho do Leite, afirma que a medida é necessária, uma vez que há vários anos os pecuaristas brasileiros vêm sofrendo com as importações de lácteos da Argentina e do Uruguai.

    "Desde os anos 70, as importações vindas do Uruguai e da Argentina têm prejudicado enormemente a produção de leite no Brasil. Todas as grandes crises de mercado que tivemos sempre foram antecedidas por essas importações. Em função desta crise, este ano, tivemos a saída de 28 mil produtores, o que é um grave problema social e econômico para o estado", diz Krug, lembrando que são antigas as suspeitas de que, junto com os lácteos uruguaios, venham também a de outros países. Segundo ele, este tem sido o pior ano nas três últimas décadas para os produtores locais.

    O Rio Grande do Sul é considerado o estado maior produtor do país em qualidade e produtividade, com uma oferta de cerca de cinco bilhões de litros por ano. Minas Gerais, contudo, está liderança com nove bilhões de litros/ano. Krug ressalta a função social da indústria do leite no Brasil.

    "A cadeia que dá mais ocupação no Brasil é o leite. É a atividade mais importante, embora, em termos econômicos, fique atrás da soja, da carne de frango e de gado. Se analisarmos em termos de ocupação de emprego, contudo, é o primeiro produto."

    Para o presidente da associação, a solução, além da proibição temporária das importações de lácteos do Uruguai, seria a fixação de uma política de preços por parte do governo federal e a fixação de cotas, nos mesmos moldes do que acontece hoje para as exportações da Argentina, limitadas a 54 mil toneladas mensais de leite em pó. Segundo dados do governo uruguaio, o país exporta US$ 500 milhões em lácteos por ano para o Brasil. O leite é o quarto maior produto da pauta de exportação do país vizinho, atrás de cereais, sementes e frutos oleaginosos e carne.

    Para alguns especialistas, se o impasse não for logo resolvido, ele pode afetar o intercâmbio comercial entre os dois países que foi de US$ 3,9 bilhões em 2015, já abaixo dos US$ 4,8 bilhões de 2014. Do lado brasileiro, os maiores embarques para Uruguai são combustíveis, veículos, plásticos, maquinário e café. Apesar de importante para a economia uruguaia, a agricultura responde por apenas 7,4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, abaixo da contribuição da indústria (20,4%) e do setor de serviços (72,2%).

    Mais:

    Oferta da UE sobre acordo comercial com Mercosul não agrada Argentina, Brasil e Uruguai
    Acordo de livre comércio automotivo Brasil-Uruguai fortalece Mercosul
    Tags:
    Brasil, Uruguai, Ernesto Krug, Blairo Maggi, Ministério da Agricultura do Brasil, Associação Gaúcha de Laticinistas e Laticínios do Rio Grande do Sul, Instituto Gaúcho do Leite, Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), América do Sul, comércio exterior, agronegócio, protecionismo, desemprego, cotas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar