19:47 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bombardeiro H-6K patrulha o mar do Sul da China

    'Não é do interesse da China': EUA advertem Pequim sobre voos militares perto de Guam

    © AP Photo / Xinhua
    Américas
    URL curta
    251725
    Nos siga no

    As operações de aviões de combate chineses perto da ilha de Guam "não serão dos interesses da China", comunicou o Conselheiro de Segurança Nacional do presidente norte-americano, McMaster.

    O conselheiro presidencial de Donald Trump alertou Pequim sobre os voos recentes de bombardeiros chineses perto do território norte-americano no Pacífico, informa o South China Morning Post.

    "Acho que os EUA reconhecem que qualquer tipo de atividade militar como esta, não será do interesse da China. Acho que a China também reconhece isso", declarou McMaster a jornalistas em Washington, se referindo a relatórios sobre as iniciativas militares crescentes da China na região.

    Durante o briefing sobre a futura visita do presidente norte-americano Donald Trump para a Ásia, acrescentou que os EUA possuem potencial para "deter pela negação" o que significa "convencer o seu inimigo ou um inimigo potencial, que não pode atingir os seus objetivos através do uso de força militar". 

    Os bombardeiros chineses voaram perto do território norte-americano de Guam para verificar as zonas da defesa norte-americanas na região, comunicou o Military Times citando as fontes militares norte-americanas na região.

    Os voos de bombardeiros chineses perto de Guam, foram realizados em meio a tensões crescentes em torno do programa nuclear norte-coreana e as ameaças de Pyongyang de lançar os mísseis perto da ilha.

    Mais:

    'Nossa mão está mais próxima do gatilho': Pyongyang ameaça Guam com 'salva de mísseis'
    Guam pede ao Pentágono para interromper construções militares por escassez de mão de obra
    Tags:
    tensões, força militar, ameaça, relatório, preocupação, atividades militares, voo, bombardeiros, Guam, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar