06:11 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Sistema de defesa antiaérea de mísseis do Irã

    EUA podem empurrar o mundo para uma guerra nuclear se romperem acordo com Irã

    © AP Photo/ Ministério da Defesa do Irã
    Américas
    URL curta
    1134

    As ameaças de Washington para sair do acordo nuclear do Irã acontecem em um momento crítico para a não proliferação nuclear global, pois arrisca arrasar uma década de trabalho diplomático e levar o mundo à beira de uma guerra nuclear, disse Jean-Marie Collin, da ICAN France, à RT.

    Coordenadora da Coalizão Internacional para Abolir Armas Nucleares (ICAN) para a França, que foi recentemente premiado com o Prêmio Nobel da Paz, Collin acredita que os EUA estão ameaçando a segurança do mundo com a possibilidade de abandonar o acordo nuclear firmado com Teerã, em 2015.

    Defendendo o acordo, Collin argumentou à RT que nenhum acordo poderia agradar a todos os lados, já que a capacidade de se comprometer é da natureza de cada acordo.

    "Talvez não seja o melhor acordo que obtivemos, mas você sabe, um acordo nunca é o melhor", disse ele, acrescentando que o documento deve ser considerado um sucesso, pois reduz as chances de um grande conflito nuclear se tornar realidade.

    "O fato importante é que chegamos [lá] depois de 12 anos de trabalho diplomático, não tivemos nenhuma guerra, não tivemos nenhum conflito com o Irã e o resto do mundo", disse Collin.

    O acordo entre o Irã e os EUA, Rússia, China, Reino Unido, França e Alemanha, em 2015, não deve ser objeto de revisão, já que isso prejudicaria o resultado de um processo de negociação de décadas, disse Collin, dizendo "o acordo é o acordo ".

    "Você não pode pedir para rever o acordo", ressaltou ela, comentando que será possível renegociar algumas das disposições somente depois que as atuais expirarem em 2025, mas não antes.

    "Talvez algum Estado queira adicionar alguns parágrafos novos, algumas novas regras, é uma possibilidade que não podemos negar agora, 10 anos antes [do fim]", disse ele.

    A ameaça Trump

    Enquanto isso, as declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, deixam o destino do acordo em um limbo, argumentou Collin, e depois de Washington se retirar, Teerã irá seguir o exemplo e também sairá.

    "É um momento realmente importante desses tempos, porque temos dois presidentes, um de um país democrático, um de um país autoritário, que aparentemente está pronto para usar armas nucleares, e aponta para o fato de que as armas nucleares não são seguras nem em boas mãos ou em mãos ruins ", afirmou a ativista.

    A guerra de palavras em curso entre os governos iraniano e norte-americano e as ameaças mútuas para abandonar o acordo podem, de fato, representar um risco para a segurança do mundo inteiro se as hostilidades atingirem um ponto de ebulição.

    "O problema é que estamos em um limite para ter escalas", disse Collin, acrescentando que "Se houver um acidente que chegue à guerra, teremos problemas internacionais em todo o mundo. Todos os países seriam tocados por esta possível guerra nuclear".

    A única maneira de evitar o cenário catastrófico da guerra nuclear total é negociar, disse Collin, observando que a Rússia e a China devem assumir um papel de liderança neste processo, levando em conta a retórica belicosa dos EUA sobre o assunto.

    "Devemos nos envolver em ações diplomáticas com a Rússia e a China, que são os principais protagonistas desses problemas […]. Com certeza, é importante que esses países façam algumas propostas porque, por enquanto, não temos nenhuma proposta real sobre a mesa dos Estados Unidos".

    Na segunda-feira, Trump duplicou sua ameaça para se retirar do acordo histórico, dizendo que sua "rescisão total" é "uma possibilidade muito real".

    A fala vem apenas alguns dias depois que Trump não recertificou o acordo nuclear perante o Congresso dos EUA, provocando um clamor internacional. A atitude significa que agora os congressistas devem decidir, no prazo de 60 dias, se impõe sanções ao Irã, que foram levantadas como parte do acordo em troca de que o Irã reduza significativamente seu programa nuclear.

    O Irã insiste que não possui armas nucleares e não persegue o objetivo de desenvolvê-las. Contudo, isso pode mudar no caso dos EUA romperem o acordo.

    A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) tem repetidamente atestado o pleno cumprimento do acordo pelo Irã, enquanto Washington continua acusando Teerã de violar o espírito do acordo ao realizar testes de mísseis.

    No entanto, o governo iraniano argumentou que os mísseis não são projetados para transportar ogivas nucleares e que seu programa militar é de natureza exclusivamente defensiva.

    Mais:

    Vai sobrar para todos: Europa teme as consequências das medidas dos EUA contra o Irã
    Chanceler russo: posição dos EUA sobre acordo nuclear com Irã agrava problemas globais
    Opinião: 'Decisão de Trump sobre acordo com o Irã vai criar caos entre países europeus'
    Tags:
    diplomacia, guerra nuclear, acordo nuclear, programa nuclear, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Coalizão Internacional para Abolir Armas Nucleares (ICAN), Donald Trump, Jean-Marie Collin, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik