16:33 21 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Furacão Maria em Porto Rico

    Caracas: EUA impediram entrega de ajuda humanitária da Venezuela em Porto Rico

    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    Américas
    URL curta
    542

    A recente passagem do furacão Maria por Porto Rico continua a causar estragos. Duas semanas após reduzir o auxílio exigido pelo país, os Estados Unidos, de quem a nação caribenha é um "Estado Associado", rejeita algumas das ofertas de assistência por razões de ordem política.

    Após a denúncia da prefeita de San Juan, Carmen Yulin Cruz, sobre a situação humanitária precária em que a população esta vivendo, dada a lentidão da ajuda prometida pelo governo dos EUA, países latino-americanos, como o México e a Venezuela, manifestaram vontade de colaborar para enfrentar as consequências do desastre natural que afetou 3,4 milhões de habitantes da ilha.

    No entanto, o combustível, a comida e os bens básicos oferecidos por Caracas não conseguiram chegar ao seu destino. Segundo denunciado por uma das principais figuras do chavismo, Diosdado Cabello, isso se deve ao fato de Washington se recusar a receber essa ajuda.

    "Nós não vamos nos render: o barco está esperando para entregar as caixas de comida em Porto Rico", disse Cabello em 4 de outubro, de acordo com o jornal El Universal.

    Cabello disse que o presidente Nicolás Maduro autorizou o envio de 100 mil caixas de alimentos básicos para servir à população porto-riquenha, que, conforme relatado pela prefeita de San Juan, está enfrentando falta de água potável.

    Mais:

    Número de mortos causados pelo furacão Maria em Porto Rico chega a 34
    Eis o que fez furacão Maria na famosa praia de 'Despacito' (FOTOS)
    Os estragos causados pelo furacão Maria em 7 fotos
    Furacão Maria atinge categoria máxima e chega à ilha de Dominica
    O furacão Maria aumenta para a categoria 4 e se torna 'extremamente perigoso' (VÍDEO)
    Tags:
    ajuda humanitária, Diosdado Cabello, Venezuela, EUA, Porto Rico
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik