04:29 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela e Vladimir Putin, durante o encontro realizado em 4 de outubro

    'Rússia é o primo mais velho disposto a ajudar a Venezuela'

    © Sputnik / Aleksei Kudenko
    Américas
    URL curta
    17304
    Nos siga no

    O analista de assuntos internacionais Basem Tajeldine e o jornalista venezuelano Jordán Rodríguez avaliaram a importância da reunião entre Maduro e o presidente Vladimir Putin na Rússia, em um contexto em que os EUA impõe sanções a ambas as nações.

    "O que se revelou na reunião entre os líderes é a continuação da política do comandante Hugo Chávez, quando nos convidou a ver a Rússia e os países do BRIC como um aliado próximo. É uma postura que a Maduro coube viver como chanceler e continuar como presidente", disse à Sputnik Mundo o jornalista Jordán Rodríguez.

    Por sua parte, o analista internacional Basem Tajeldine comentou que os vínculos entre ambas as nações abrangem espaços "para além da área militar, onde o Estado russo é muito forte".

    "O setor da energia também foi consolidado. São duas nações com grandes capacidades neste sentido, em particular em petróleo e gás. A Rússia, embora não faça parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), é um país com o qual convém chegar a um consenso a nível de preços, pela sua importância internacional", explicou Basem Tajeldine.

    Ambos os entrevistados destacaram que, tal como Venezuela, a Rússia enfrenta sanções por parte do governo dos Estados Unidos, questão que, em última instância, "facilita" uma aproximação entre Caracas e Moscou, que compartilham uma visão sobre a política internacional.

    "Os governos de Caracas e Moscou entendem que a guerra dos mercados do petróleo faz parte de uma situação induzida que se destina a afetar a situação destas nações que dependem da renda petroleira. Maduro e Putin interpretaram muito bem este conflito e, por isso, trataram de temas como a regionalização dos preços do petróleo", disse Tajeldine.

    Para o jornalista Jordán Rodríguez, esta reunião foi crucial, pois decorre em um contexto em que o seu país foi agredido pelo governo de Donald Trump, e uma aproximação de Caracas a Putin significa não apenas uma mensagem a Washington, mas uma possibilidade concreta de expandir suas fronteiras.

    Rodríguez destacou que 95% da economia do país depende das rendas do petróleo. Trump disse que aqueles países que compram petróleo à Venezuela devem responder aos EUA. "Isto é pior do que foi imposto a Cuba nos últimos 60 anos", comentou o jornalista.

    Por sua parte, de acordo com ele, a Rússia é um dos principais atores na Faixa Petrolífera do Orinoco, a maior reserva de petróleo do planeta. "O venezuelano percebeu que, se os EUA não vão ser mais o nosso principal comprador, por questões políticas, há uma série de caminhos alternativos. A Rússia representa uma grande oportunidade", disse ele.

    O jornalista colocou em questão a "tradicional convicção" que o país norte-americano é o principal parceiro petroleiro da Venezuela, já que até agora era apontado como o principal comprador, mas "se se examinarem as contas, não é um bom pagador". "Os EUA mantêm enormes dívidas para com o meu país", acrescentou Jordán Rodríguez.

    Por sua parte, Tajeldine indicou que "há uma grande empatia entre Maduro e Putin", e destacou que a nação eslava é uma "grande potência militar e econômica com que a Venezuela conseguiu "tecer importantes laços de amizade".

    "Para a Venezuela ter um aliado como a Rússia é muito importante, não só pelo seu grande músculo militar e influência, mas também porque enfrenta um mesmo inimigo: os EUA. Moscou apoiou Caracas denunciando a agressividade do país norte-americano em seu interesse de derrubar o governo venezuelano", destacou Tajeldine.

    Rodriguez estimou a aliança de seu país com a Rússia como uma "fórmula de amizade para enfrentar uma situação de guerra". "Há muita esperança para o povo venezuelano no encontro mantido entre Maduro e Putin. A gente começa a referir-se à Federação da Rússia como a um primo mais velho que está disposto a ajudar a Venezuela. Isto é muito importante porque nos diz que, apesar do bloqueio, Venezuela não está sozinha", concluiu o jornalista.

    O desenvolvimento das relações russo-venezuelanas começou no início do século XXI, quando Putin se reuniu com vários líderes latino-americanos, entre eles o presidente Hugo Chávez, que fez sua primeira visita a este país em maio de 2001, e na qual foram assinados vários acordos de cooperação bilateral e uma declaração conjunta para o aprofundamento da confiança política e o diálogo na solução dos problemas internacionais e regionais.

    Mais:

    Será que países africanos ajudarão Venezuela no mercado petroleiro?
    China, Venezuela... Quem se afirma mais? Hegemonia do dólar pode estar com dias contados
    Moscou: EUA devem parar com as sugestões de intervenção armada dos EUA na Venezuela
    Trump: EUA estão preparados para tomar 'medidas adicionais' contra Venezuela
    Tags:
    Venezuela, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar