01:57 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Protesto em favor da Inteligência Inter-Serviços (ISI) em Karachi, no Paquistão, em 2011

    Inteligência do Paquistão está 'conectada aos terroristas', diz general dos EUA

    © AP Photo / Fareed Khan
    Américas
    URL curta
    1114

    O chefe do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos, Joseph Dunford, acusou a principal agência de inteligência do Paquistão, a diretoria de Inteligência Inter-Serviços (ISI), de ter laços com terroristas.

    Dunford fez o anúncio ao encontrar o Comitê de Serviços Armados do Senado junto com o secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, na terça-feira.

    "Eu acho claro que a ISI tem conexões com grupos terroristas", disse Dunford ao comitê.

    Mattis fez eco à posição de Dunford sobre a ISI, afirmando que a agência está perseguindo sua própria agenda, enquanto o próprio Paquistão luta para combater o terrorismo.

    "Eles perderam provavelmente mais tropas do que qualquer outro país na luta contra o terrorismo — ao mesmo tempo que vimos refúgios para os próprios dispositivos terroristas. Nós vimos o governo do Paquistão perseguir terroristas, quando a ISI parece executar sua própria política", disse Mattis.

    No entanto, Mattis observou que a administração de Trump tentará trabalhar com o Paquistão no Afeganistão "mais uma vez", antes de explorar opções para conter o suposto apoio ao terrorismo de certos elementos do governo paquistanês.

    "Precisamos tentar mais uma vez para que esta estratégia funcione com eles, para e através dos paquistaneses, e se nossos melhores esforços falharem, o presidente está preparado para tomar as medidas necessárias", disse Mattis ao Comitê de Serviços Armados da Casa mais tarde Terça.

     "Eu vou voar e continuaremos a tentar trabalhar com eles", acrescentou o secretário.

    As acusações contra o Paquistão de fornecer apoio aos terroristas foram expressas pelo presidente norte-americano Donald Trump no final de agosto.

    "O Paquistão, muitas vezes, oferece refúgios seguros aos agentes do caos, da violência e do terror. Não podemos mais ficar em silêncio sobre os refúgios do Paquistão para as organizações terroristas, os talibãs e outros grupos que representam uma ameaça para a região e além", disse Trump, acrescentando que o país tinha" muito a perder, continuando a abrigar terroristas".

    O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, juntou-se a Trump, ameaçando cortar a ajuda dos EUA ao país, a menos que Islamabad interrompe seu suposto apoio aos terroristas.

    "A quantidade de auxílio e assistência militar que nós lhes damos, seu status de parceiro da aliança não-OTAN — tudo isso pode ser colocado na mesa", disse Tillerson.

    Islamabad reagiu com raiva às acusações, chamando-os de "falsa narrativa" e afirmando que os EUA não deveriam fazer do Paquistão um "bode expiatório por suas falhas no Afeganistão". O "compromisso do Paquistão com a guerra contra o terrorismo é incomparável e inabalável", disse o ministro das Relações Exteriores, Khawaja Asif em agosto.

    Mais:

    Paquistão: homem é condenado à morte por mensagem no WhatssApp
    Chefe do exército indiano: China e Paquistão já não representam ameaça iminente
    Dono de armas nucleares, Paquistão corre risco de viver caos com queda de premiê?
    Tags:
    relações bilaterais, diplomacia, inteligência, terrorismo, ISI, Khawaja Asif, Rex Tillerson, Donald Trump, James Mattis, Joseph Dunford, Afeganistão, Islamabad, Estados Unidos, Paquistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik