19:08 16 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    010
    Nos siga no

    Honduras, Guatemala e El Salvador, que formam o chamado Triângulo Norte da América Central, estão coordenando com os EUA operações conjuntas contra os membros da quadrilha Mara Salvatrucha e seu rival, a Barrio 18, informa o RT.

    Com este fim, procuradores dos três países latino-americanos estão realizando negociações com um procurador dos Estados Unidos na cidade de Miami, (estado da Flórida). As negociações têm por objetivo seguir uma estratégia regional contra as quadrilhas e o narcotráfico, informa o RT, citando o portal ContraPunto.

    O porta-voz do Ministério Público hondurenho, Yuri Mora, declarou que o propósito é discutir as lições do passado, as ações futuras, assim como definir uma estratégia conjunta entre os EUA e os países do Triângulo Norte para "dar golpes precisos contra estas quadrilhas do crime organizado e narcotráfico".

    Uma das zonas mais violentas do mundo

    Honduras, Guatemala e El Salvador são uma das zonas mais violentas do mundo, devido ao flagelo dos gangues, narcotráfico e crime organizado.

    Grupos criminosos como a Mara Salvatrucha (MS13) e a Barrio 18 atingem as três nações e são responsáveis por altos níveis de homicídios.

    Por enquanto, a Procuradoria Geral dos EUA informou que mais de 3.800 membros das MS13 e Barrio 18 foram acusados nos Estados Unidos e na América Central como parte da chamada Operação Escudo Regional.

    Entre os criminosos processados, mais de 70 foram julgados em tribunais norte-americanos.

    Em El Salvador foram acusados 3.477 membros de gangues (o número mais alto destes países), dos quais 1.400 foram presos, de acordo com a Procuradoria Geral dos EUA.

    Mais:

    Demanda de armas russas cresce na América Latina, Ásia e África
    'Nova administração' anuncia mudanças na Rocinha
    Tags:
    América Central, El Salvador, Honduras, Guatemala, EUA, Mara Salvatrucha, quadrilha, gangues, criminosos, combate, cooperação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar