00:13 26 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    26930
    Nos siga no

    No caso de lançamento de um míssil balístico intercontinental norte-coreano, os EUA terão que abatê-lo por cima da Rússia, informa o Defense One citando fontes militares norte-americanas.

    Caso Pyongyang lance um míssil balístico contra os EUA, a sua trajetória, mais provavelmente, passará por cima do Polo Norte. Por isso, é provável que os EUA tentem abater o míssil dentro do espaço de cobertura dos radares russos, ou mesmo por cima do território russo.

    "É nisso que estamos trabalhando", acrescentou a general Lori Robinson, que se tornou a primeira mulher a ocupar um dos principais postos militares dos EUA. Ela é a chefe do Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte (NORAD em inglês), citada pela Defense One.

    Os EUA planejam instalar 44 mísseis interceptores terrestres, inclusive no Alasca e no estado da Califórnia.

    De acordo com o analista do Instituto de Pesquisas Internacionais Middlebury, Joshua Pollack, o local mais provável de intercepção é a área do Extremo Oriente russo.

    Mas a trajetória real vai depender da direção e da velocidade do míssil lançado e também do tempo que vai precisar a defesa antimíssil norte-americana para reagir, informa o Moskovsky Komsomolets.

    A questão da possível intercepção de um míssil norte-coreano começou a ser discutida após os especialistas militares que estudaram as características do míssil Hwasong-14 declararem que a Coreia do Norte pode já em breve obter um míssil balístico com ogiva nuclear.

    Mais:

    Guerra entre Coreia do Norte e EUA é 'cenário real' em meio a medidas militares de Trump
    Ex-agente da CIA: EUA não têm outra opção senão aceitar uma Coreia do Norte nuclear
    Tags:
    opinião, Defesa antimíssil (DAM), intercepção, defesa, radares, espaço, míssil balístico, Coreia do Norte, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar