06:34 01 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    8218
    Nos siga no

    As autoridades dos EUA tencionam limitar os voos de aviões militares russos sobre seu território no âmbito do Tratado de Céus Abertos, informa o Wall Street Journal.

    O Tratado de Céus Abertos foi assinado em 1992 e se tornou uma das medidas para reforçar a confiança na Europa após a Guerra Fria.

    O tratado está em vigor desde 2002 e permite aos países-membros recolher de modo aberto informações sobre as Forças Armadas e atividades militares uns dos outros. Do tratado fazem parte a maioria dos países-membros da OTAN, bem como a Bielorrússia, Ucrânia, Geórgia, Bósnia e Herzegovina, assim como os países neutros Suécia e Finlândia.

    De acordo com dados obtidos pelo jornal, os Estados Unidos podem limitar os voos de aviões militares russos sobre os estados do Alasсa e do Havaí.

    Segundo dados do jornal, as limitações representam a resposta do governo norte-americano à "proibição do Kremlin de sobrevoar Kaliningrado [enclave da Rússia situado na costa do mar Báltico entre a Polônia e a Lituânia]". Segundo o Tratado de Céus Abertos, o alcance dos voos pode atingir 5,5 mil km. A Rússia, por sua vez, introduziu o sublimite de 500 km quanto a Kaliningrado.

    A decisão sobre a implementação de novas medidas será anunciada na terça-feira (26) no decurso da reunião da comissão consultora do Tratado do Céus Abertos, realizada em Viena.

    Mais:

    Veja o VÍDEO do voo do avião de vigilância russo sobre a Casa Branca
    Força Aeroespacial russa levantou voo 6 vezes para interceptar aviões estrangeiros
    Pilotos dos EUA e Ucrânia efetuarão voo de observação sobre território russo
    Pentágono explica por que avião russo foi autorizado a sobrevoar a Casa Branca
    Por que Putin evitou sobrevoar espaço aéreo da OTAN a caminho da cúpula do G20?
    Tags:
    aviões de combate, voos de observação, proibição, limite, Tratado de Céus Abertos, Kremlin, OTAN, Havaí, Alasca, Kaliningrado, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar