04:50 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Lançamento de míssil Standard Missile (SM-3) pelo USS Decatur (DDG 73), um destróier da classe Arleigh Burke equipado com o sistema de combate Aegis e operando no Pacífico, em 22 de junho de 2007

    Por que a defesa dos EUA pode não funcionar contra os mísseis de Pyongyang?

    © AFP 2019 / Marinha dos EUA
    Américas
    URL curta
    21503
    Nos siga no

    As sugestões de que os EUA e os seus aliados podem fazer Pyongyang acabar com os mísseis balísticos são ilusórias, escreve o colunista do The National Interest.

    "O Comando do Pacífico dos EUA detectou e monitorizou aquilo que consideramos como o lançamento singular de um míssil balístico norte-coreano às 24h00 do horário local (07h00 do Brasil) em 14 de setembro. A avaliação inicial indica o lançamento de um míssil balístico de alcance intermediário (IRBM, em inglês)", afirmou o porta-voz do Comando, Dave Benham. 

    Em declarações ao The National Interest, o diretor para o desarmamento e política de redução de ameaças da Associação de Controle de Armas, Kingston Reif, disse a intercepção de tais mísseis vai ser extremamente complicada. 

    "A intercepção de um míssil norte-coreano na trajetória testada, como foi no caso do teste em 29 de agosto do míssil HS-12, é um desafio completamente diferente e ainda mais difícil", sublinhou Reif. 

    De acordo com ele, o sistema interceptor SM-3 só foi testado uma vez contra um míssil balístico. O SM3-IIA, desenvolvido pelos EUA, terá maiores capacidades, mas ainda não foi testado. No mínimo, o SM-3 vai ser capaz de interceptar o míssil balístico no meio de seu voo. 

    Lançamento do Standard Missile-3 (SM-3)
    © flickr.com / Official U.S. Navy Page
    Lançamento do Standard Missile-3 (SM-3)

    "Os navios com o sistema AEGIS deslocados no mar do Japão (também conhecido como mar do Leste) e os meios militares existentes no Japão contra os SRBM (mísseis balísticos de curto alcance) e MRBM (mísseis de médio alcance) provavelmente não conseguirão abater um IRBM sobrevoando o nordeste do Japão", expressou Reif. 

    De acordo com ele, a tentativa de abater um míssil balístico norte-coreano seria contraproducente. O problema é que os meios de defesa antimíssil podem ser superados pelo governo norte-coreano, que pode simplesmente lançar um maior número de mísseis. 

    "A defesa antimíssil não é um meio de ultrapassar a nossa vulnerabilidade e a dos nossos aliados perante a Coreia do Norte nuclear, que está tomando medidas para evitar os nossos meios de defesa e criar mais mísseis para superar os nossos sistemas de defesa", concluiu o militar norte-americano. 

    De acordo com o autor do artigo no The National Interest só resta um método que pode resolver o problema da Coreia do Norte – a via diplomática. 

    Mais:

    'Que os EUA não esqueçam que temos a Bomba H', diz Coreia do Norte antes de sanções
    Especialista explica por que EUA não iniciarão guerra contra Coreia do Norte
    Tags:
    míssil balístico intercontinental, capacidade militar, defesa, ameaças, política, Defesa antimíssil (DAM), míssil, SM-3, Aegis, The National Interest, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar