13:57 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Odebrecht

    Odebrecht financiou corrupção na Venezuela com dinheiro do BNDES, diz ex-procuradora

    © REUTERS / /Mariana Bazo
    Américas
    URL curta
    303

    O Estado brasileiro pode ter financiado a corrupção na Venezuela por meio de obras da Odebrecht e com dinheiro do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

    A acusação foi feita ao Ministério Público Federal (MPF) pela ex-procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, que afirma ter havido corrupção em contratos com cifras de até US$ 30 bilhões. Houve dinheiro do BNDES em 11 obras e algumas delas estão paralisadas ou construídas parcialmente, diz Luisa.

    O Tribunal de Contas da União afirmou que a BNDES liberou R$ 11 bilhões para a Venezuela, durante os governos de Hugo Chávez e Nicolás Maduro.

    Já o BNDES diz que foram repassados à Odebrecht o equivalente a US$ 13,5 bilhões para execução de 47 projetos, dos quais 25 estão suspensos.

    "A partir de 2015, começa-se a ter um quadro mais claro da atuação de grandes empresas como a Odebrecht, no Brasil e no exterior, para alcançar seus objetivos e realizar grandes obras de engenharia no Brasil e no exterior. A Venezuela é um desses países e o Peru também — para ficar em apenas dois exemplos da América Latina. Além disso, a empresa também usou seus métodos na África", afirmou o cientista político e professor da PUC-RJ Ricardo Ismael.

    Ismael também disse que até 2015, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) obrigou o BNDES a divulgar mais informações sobre seus empréstimos, a instituição era uma "caixa preta" e que agora as informações estão começando a surgir.

    Mais:

    Odebrecht: ex-procuradora-geral da Venezuela diz que tem provas de corrupção de Maduro
    Mais Odebrecht: Vice-presidente do Equador é investigado por suspeita de corrupção
    Argentina bane Odebrecht de licitações por 12 meses
    Promotoria do Equador fecha acordo com Odebrecht para obter provas de corrupção no país
    Tags:
    Odebrecht, Hugo Chávez, Nicolás Maduro, Luisa Ortega Diaz
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar