01:24 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    451
    Nos siga no

    As Ilhas Virgens dos EUA aparentemente estavam usando fundos destinados a pagar seguros relacionados a desastres naturais para financiar outros serviços públicos por muitos anos.

    Desde 2007, cerca de US $ 200 milhões foram transferidos do Fundo de Garantia de Seguros — incluindo US $ 45 milhões no ano fiscal de 2011, informou a Reuters.

    O programa pretendia acumular fundos para compensar as reivindicações pendentes de seguros que as companhias não estavam aptas ou não queriam pagar os residentes da ilha e os proprietários após desastres naturais.

    Embora as três principais ilhas de St. John, St. Croix e St. Thomas tenham dependido fortemente do programa após os furacões Hugo em 1989 e Marilyn, em 1995, de acordo com um comunicado do governo de 2007. O saldo dos fundos foi reduzido de US $ 50 milhões para US $ 10 milhões em 2012.

    Quando questionados pelo esvaziamento do fundo da tempestade, funcionários do governo admitiram que o dinheiro era tomado "emprestado de vez em quando" e que "isso não tem sido um problema".

    Embora o presidente dos EUA, Donald Trump, tenha declarado estado de emergência na ilha — autorizando a Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA) a coordenar e potencialmente pagar sua recuperação pós-tempestade — a Reuters notou que o governo das Ilhas Virgens dos EUA tinha apenas dinheiro para financiar três dias de operações de socorro.

    O furacão Irma está causando "dano severo" tanto para as Ilhas Virgens Americanas como para o Reino Unido. De acordo com o ministro do Ministério do Exterior do Reino Unido, Alan Duncan, as estimativas de danos estão apenas no início.

    Tags:
    Furacão Hugo, Furacão Irma, Ministério do Exterior do Reino Unido, Agência Federal de Gestão de Emergências (FEMA), Reuters, Alan Duncan, Donald Trump, St. Thomas, St. Croix, St. John, Ilhas Virgens Americanas, Estados Unidos, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar