00:38 15 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Presidente chinês Xi Jimping e o presidente venezuelano Nicolás Maduro antes de encontro bilateral em Pequim, China, 7 de janeiro de 2016Presidentes da Venezuela, Nicolas Maduro, e da Rússia, Vladimir Putin

    Novas sanções dos EUA buscam impedir investimento da China e da Rússia na Venezuela

    © AFP 2018 / ANDY WONG / POOL © AFP 2018 / Presidencia - Marcelo GARCIA
    1 / 2
    Américas
    URL curta
    58917

    Os EUA esperam que as recentes sanções contra a Venezuela evitem novos investimentos da China e da Rússia no país latino-americano, declarou aos jornalistas um alto funcionário da administração norte-americana.

    "Elas [as sanções] evidenciam o risco que é adquirir títulos da dívida [da Venezuela]. Esses dois países vão pensar bem, antes de aprofundar a sua participação na região, esse é o efeito que deve acontecer. Esperamos que isso surta um importante efeito, dissuadindo eles de suas intensões", disse o representante do governo. 

    Nesta sexta-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, adotou novas sanções contra a Venezuela. Entre outras medidas, Washington proibiu às empresas norte-americanas a negociar ou adquirir títulos da dívida e ações emitidas pelo governo da Venezuela ou pela sua estatal de petróleo, PDVSA, com prazo de vencimento superior a 30 e 90 dias, respectivamente. 

    Os Estados Unidos adotaram uma série de sanções contra autoridades da Venezuela ao longo dos últimos meses, incluindo o presidente Maduro, responsabilizando o governo venezuelano por todos os problemas que atingem o país e acusando-o de violar direitos humanos.

    Mais:

    Que efeito terão sanções petrolíferas norte-americanas contra Venezuela no mercado global?
    Pressão latino-americana sobre Venezuela pode desencadear intervenção militar dos EUA
    Maduro diz que tem medidas preparadas para defender Venezuela do bloqueio de Trump
    Maduro: haverá eleições em 2018, mesmo que 'Trump venha vestido de fuzileiro naval'
    Tags:
    big stick, investimento, sanções, PDVSA, EUA, China, Rússia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik