17:01 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Um manifestante com uma ferida falsa participa de um protesto de venezuelanos em Espanha contra as eleições da Assembléia Constituinte da Venezuela, em Madri

    EUA 'estão por trás da oposição venezuelana', eles 'não querem diálogo'

    © REUTERS/ Sergio Perez
    Américas
    URL curta
    11908102

    O presidente da Venezuela escolheu uma política exterior bastante branda, mas parece que Donald Trump não cede a isso, pelo menos de acordo com declarações dele.

    Vladimir Travkin, editor-chefe da revista Latinskaya Amerika (América Latina, em russo), publicada pela Academia de Ciências da Rússia, comenta o assunto para o serviço russo da Rádio Sputnik.

    O especialista disse que Trump é uma pessoa imprevisível, por isso não é claro como ele avalia essa política de Maduro. Recentemente, o presidente dos EUA declarou que não exclui nenhuma variante, incluindo meios militares, para pressionar o regime da Venezuela.

    Os EUA são o maior comprador do petróleo venezuelano, o que é muito importante para este país. Mas os venezuelanos, já durante a gestão de Hugo Chávez, começaram apreciando a riqueza natural do seu país, opina Travkin.

    Por isso, a Venezuela restringiu a atividade de várias empresas norte-americanas, do que elas não gostaram. Os EUA, por sua vez, começaram a agir usando vários meios para tentar acender ao descontentamento dentro do país, usando a pressão contra a burguesia venezuelana, que tem laços diretos com os EUA e se ocupa principalmente do setor petrolífero.

    Travkin lembra que os EUA são eles próprios produtores de petróleo, mas eles contêm a extração do seu petróleo que, a propósito, fica em território historicamente latino-americano e que os EUA tiraram ao México.

    "Eles não usam suas jazidas em plena capacidade, mas, caso queiram, eles poderão substituir as importações do petróleo da Venezuela", disse Travkin, acrescentando que que para os venezuelanos esta situação será grave.

    Tal situação poderá piorar significativamente as dificuldades econômicas na Venezuela, que agora se observam por causa do preço baixo de petróleo no mercado mundial. Em troca das exportações de petróleo, a Venezuela compra produtos alimentícios e produtos da indústria ligeira ao estrangeiro.

    Recentemente, Trump declarou, mas aqui ele se referiu à questão da presença militar dos EUA no Afeganistão, que as forças dos EUA permanecerão neste país para "lutar contra o terrorismo". Ao mesmo tempo o presidente norte-americano declarou que os EUA não vão repetir seus erros e deixarão de impor seu modelo de democracia a terceiros países.

    Vladimir Travkin pensa que esta é uma declaração vazia. "Palavras, o vento leva", disse o especialista, acrescentando que gostaria de estar enganado.

    O especialista disse que Maduro é um bom diplomata e um político sábio que tenta escolher um rumo pacífico para resolver a crise. Travkin espera que os EUA reajam positivamente a essas tentativas e que eles desistam da vontade de fazer a Venezuela brigar com seus vizinhos na América Latina.

    O especialista disse que agora é cedo para falar sobre os efeitos positivos que traz a Constituinte para a vida do país. O Parlamento, controlado pela oposição, continua tentando derrubar Maduro antes do fim de seu mandato.

    "Maduro disse que é preciso resolver a crise política através do diálogo", disse o especialista, acrescentando que isso não são palavras vãs e que o presidente venezuelano diz isso com sinceridade. "A própria oposição não está pronta para o diálogo, não devemos esquecer que por trás dela estão os Estados Unidos", concluiu Travkin.

    Mais:

    Venezuela: Constituinte decide anular Assembleia Nacional dominada pela oposição
    Rússia pede moderação na Coreia e rechaça uso da força na Venezuela
    Casa de ex-procuradora-geral da Venezuela é vasculhada
    Tags:
    oposição, sanções, petróleo, economia, Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, Donald Trump, Nicolás Maduro, México, América Latina, Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik