12:55 22 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Donald Trump é observado por Stephen Bannon, 31 de janeiro de 2017

    Opiniões sobre Coreia do Norte custaram emprego a polêmico ex-assessor de Trump?

    © AP Photo/ Evan Vucci
    Américas
    URL curta
    152735110

    Importante peça no tabuleiro que elegeu Donald Trump, Steve Bannon deixou a Casa Branca na última semana por razões ainda não muito claras dentro e fora dos Estados Unidos. Contudo, seria possível que as opiniões de Bannon sobre a Coreia do Norte pudessem ter um peso para sua demissão?

    Em oito meses de governo, Trump já demitiu uma série de aliados e assessores do seu gabinete, boa parte deles envolvidos em polêmicas internas que pouco ajudam uma administração associada diariamente a polêmicas, o que reflete a alta taxa de reprovação da gestão até aqui nos EUA.

    A sugestão de que a demissão de Bannon, este ligado a movimentos de extrema direita estadunidenses (alguns envolvidos nos episódios de violência de Charlottesville), pudesse estar vinculada, entre outros fatores, à Coreia do Norte foi feita pelo congressista republicano Peter King.

    "Ele [Bannon] estava discordando publicamente da política do presidente sobre a Coreia do Norte. E esta foi a política do presidente Trump, do secretário [James] Mattis, do secretário [Rex] Tillerson e do presidente do conselho de segurança nacional, o general McMaster", disse King, em entrevista neste domingo a uma rádio de Nova York.

    "Para ele [Bannon] tornar isso público e, basicamente, dizer à Coreia do Norte que não temos nenhuma opção militar contra eles, era algo que estava prejudicando o presidente dos EUA", explicou.

    No dia da demissão de Bannon, uma entrevista com o então estrategista de Trump foi publicada pelo site The American Prospect. Nela, ele falava sobre vários assuntos, em boa parte deles demonstrando discordância quanto aos rumos adotados pelo presidente dos EUA. E, como na abertura do artigo fica claro, tal entrevista pode ter custado o seu emprego.

    "Não há solução militar [para a Coreia do Norte], esqueça", afirmou Bannon nesta entrevista. "Até que alguém resolva a parte da equação e me mostre que 10 milhões de pessoas em Seul não morrerão nos primeiros 30 minutos por armas convencionais, não sei do que você está falando. Não há nenhuma solução militar aqui. Eles nos pegaram".

    Bannon dizia ainda, na mesma entrevista, que os EUA deveriam considerar um acordo com a China: a Casa Branca aceitaria retirar as suas tropas da Coreia do Sul, e em troca Pequim faria a sua parte ao congelar de vez o programa nuclear norte-coreano. Tal acordo, nestes termos, parece fadado a não acontecer, comentou o agora ex-estrategista de Trump.

    Mais:

    Coreia do Norte pede que Brasil e América Latina não rompam relações como quer os EUA
    Coreia do Norte: armas nucleares não ameaçam outros países além dos EUA
    Estados Unidos apostam nos F-35 para combater Coreia do Norte
    Opinião: EUA tentam corrigir seu deslize político em relação à Coreia do Norte
    Tags:
    neonazistas, supremacistas brancos, racismo, charlottesville, diplomacia, política, The American Prospect, Casa Branca, Peter King, Donald Trump, Steve Bannon, China, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik