00:48 10 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    Violentos ataques de neonazistas em Charlottesville (23)
    675
    Nos siga no

    O jogador de basquete LeBron James aumentou a lista dos críticos do presidente Donald Trump. O republicano está enfrentando ataques, mais uma vez, por suas declarações sobre conflitos em Charlottesville, Vírginia. Na ocasião, um homem branco atropelou um grupo de ativistas antirracismo e deixou uma mulher morta e outros 19 feridos.

    "O ódio sempre existiu na América. Sim, nós sabemos disso, mas Donald Trump acabou de torná-lo moda novamente! Estátuas não tem nada a ver conosco agora!" escreveu o jogador do Cleveland Cavaliers em seu Twitter.

    Em entrevista coletiva nesta terça-feira (15), Trump disse: "Há culpa dos dois lados. Então a alt-left [esquerda alternativa] que atacou a, como vocês dizem, alt-right [direita alternativa], tem algum tipo de culpa?".

    No sábado, a cidade de Charlottesville foi palco de um protesto de supremacistas brancos, como a KKK, e de neonazistas contra a remoção de uma estátua em homenagem ao general confederado Robert E. Lee — responsável pelas tropas do Sul escravocrata durante a Guerra Civil dos EUA. 

    Trump foi criticado pela demora em comentar os acontecimentos e por falas consideradas vagas por lideranças políticas. O próprio presidente da Câmara dos Deputados dos EUA e colega de Partido Republicano, Paul Ryan, afirmou que "não pode haver ambiguidade moral" e que a "supremacia branca é repulsiva".

    Tema:
    Violentos ataques de neonazistas em Charlottesville (23)

    Mais:

    Trump diz que 'os dois lados' têm culpa pela violência em Charlottesville
    Ódio nos EUA: Atropelador de Charlottesville era admirador de Hitler (VÍDEO)
    Conselheiro de Trump classifica violência em Charlottesville como terrorismo
    Trump incluiu 'supremacistas brancos' na condenação da violência em Charlottesville
    Tags:
    Partido Republicano, KKK, NBA, Paul Ryan, Donald Trump, Lebron James
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar