23:56 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    3081
    Nos siga no

    Três em cada quatro estadunidenses consideram a Coreia do Norte uma ameaça para o país, segundo recente pesquisa publicada pelo jornal The Washington Post no dia 7 de agosto. Há ainda um considerável apoio (sobretudo de eleitores republicanos) para que Washington use a força contra Pyongyang.

    Contudo, uma pergunta importante sobre o seu ‘inimigo’ e que é fundamental: você sabe onde ele está? Você sabe onde ele fica? E dois experimentos exibidos na TV mostram que, se os Estados Unidos dependerem do conhecimento de geografia da sua população, um erro é bem provável.

    O apresentador Jimmy Kimmel enviou um repórter às ruas de Los Angeles, na costa oeste dos EUA, para tentar extrair a exata localização da Coreia do Norte junto a várias pessoas que eram questionadas se o regime norte-coreano representava uma ameaça ao país. As respostas foram muitas – e quase nenhuma correta.

    “Não, este é o Canadá”, refutou o repórter a uma pessoa. “Não, aí está localizado o Oriente Médio”, esclareceu a outra. Houve até quem apontasse o Brasil.

    Já nas ruas de Nova York, na costa leste dos EUA, os resultados não foram muito melhores quando um jornalista do RT tentou o mesmo experimento. “Não, esta é a Sibéria”, teve de responder o repórter em um dos casos.

    Ao mundo todo, vale a seguinte premissa: diante do temor de uma guerra entre EUA e Coreia do Norte, melhor que o presidente Donald Trump e seus assessores não tenham fugido das aulas de geografia.

    Mais:

    Especialista chinês comenta ameaças da Coreia do Norte de atacar Guam
    Trump: 'Soluções militares prontas, se Coreia do Norte agir imprudentemente'
    Austrália apoiará EUA em caso de ataque da Coreia do Norte
    Tags:
    geografia, guerra, RT, Jimmy Kimmel, Donald Trump, Estados Unidos, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar