01:01 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Sede do Pentágono em Washington, EUA

    Pentágono explica por que avião russo foi autorizado a sobrevoar a Casa Branca

    © AFP 2017/ STAFF
    Américas
    URL curta
    7326150

    O representante do Pentágono explicou que os observadores militares estrangeiros, no quadro do Tratado de Céus Abertos, podem pedir e obter permissão para realizar voos praticamente sobre qualquer lugar.

    A emissora CNN informou na quarta-feira (9) que um avião militar russo sobrevoou o Capitólio, o Pentágono e outras residências presidenciais, efetuando um voo autorizado por Washington no âmbito do Tratado de Céus Abertos. Ao avião foi permitido entrar no espaço aéreo ultrassecreto sobre a Casa Branca. Anteriormente, o Ministério da Defesa russo anunciou os voos de vigilância sobre os EUA. Os interlocutores da CNN confirmaram que o voo foi autorizado pela parte norte-americana e a bordo do avião seguiam representantes da Força Aérea dos EUA.

    "Geralmente eles [os observadores russos] chegam e apresentam uma lista de locais sobre os eles querem voar", disse um representante anônimo do Pentágono à Politico.

    "Fazemos o plano de voos e, com algumas exceções ligadas à segurança e condições meteorológicas, eles são autorizados a voar praticamente sobre todo o território", acrescentou ele.

    Segundo o representante do Pentágono, todos os voos "são muito regulamentados e rigorosamente controlados" e por isso é que os militares norte-americanos têm de estar a bordo do avião.

    "As missões deste tipo são realizadas praticamente numa base de rotina", acrescentou o representante das forças armadas norte-americanas.

    Mais:

    Pentágono fornecia armas a departamento de polícia inexistente
    Chefe da CIA: Influência do Irã no Oriente Médio continua crescendo
    O que CIA, URSS e China têm a ver com caixa branca que caiu do céu há 55 anos?
    Tags:
    aviação, vigilância, Capitólio, Ministério da Defesa, Casa Branca, Pentágono, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik