00:41 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Identificação de soldados argentinos acontece 35 anos após o conflito

    Malvinas: os soldados só conhecidos por Deus agora vão ter um nome

    Martin Bernetti/AFP
    Américas
    URL curta
    161

    Justiça apesar de 35 anos após o fim do conflito. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) concluiu a primeira fase do trabalho de exumação e identificação dos corpos dos soldados argentinos mortos na Guerra das Malvinas (1982) e que estão enterrados no cemitério de Darwin, na maior ilha do arquipélago, chamado de Falklands pelos britânicos.

    O trabalho, realizado a pedido do governo argentino e executado por 14 especialistas forenses de Argentina, Austrália, Chile, Espanha, México e Reino Unido, resgata uma dívida moral com os jovens combatentes que tombaram no conflito que deixou um saldo de 649 mortos entre os argentinos, um número ainda desconhecido de feridos e custou a vida de 255 britânicos e ferimentos em outros 777. Muitos dos soldados argentinos estavam enterrados em túmulos encimados com uma cruz com os dizeres: "Solo conocidos por Dios" (Só conhecidos por Deus").

    Para falar sobre esse trabalho, a Sputnik Brasil ouviu Sandra Lefcovich, membro da CICV no Brasil, que deu detalhes das dificuldades da operação, que continua, agora com o envio de resultados para centros de pesquisa na Argentina e na Grã-Bretanha, onde passarão por novas checagens antes da divulgação da identidade dos mortos, e só então serão informados as suas famílias.

    "Embora tenham passado mais de três décadas, ainda há famílias que esperam (a identificação). Pais, mães e irmãos querem ter uma notícia sobre a identidade dos seus filhos. O direito internacional humanitário diz que os estados têm a obrigação de identificar os restos mortais dos soldados caídos em batalha. O CICV respondeu a esse pedido do governo argentino para levar a cabo essa tarefa. Em dezembro do ano passado foi assinado um acordo entre o Reino Unido, a Argentina e o Comitê para que seja levado a cabo essa tarefa, que é bastante complexa, porque as condições meteorológicas não são tão fáceis, mas essa semana conseguimos finalizar mais uma etapa", diz Sandra.

    A integrante do CICV no Brasil diz que os bons resultados do trabalho foram devidos à alta qualificação da equipe forense, formada por profissionais de várias áreas de atuação, incluindo médicos, biólogos e pessoal de apoio logístico. Segundo ela, os corpos que foram exumados foram sepultados no mesmo dia, observando-se todo a dignidade e o cuidado necessários para o sepultamento. O Comitê também se incumbiu de toda a restauração do cemitério.

    "Depois da exumação, foram obtidas e analisadas mostras e documentado cada um desses restos mortais. Isso foi feito num laboratório temporário ao lado do cemitério. Agora, com essas mostras obtidas, isso vai ser levado a um laboratório na Argentina, o laboratório forense na cidade de Córdoba, onde eles têm amostras de referência dos familiares para poder fazer a comparação. Uma parte aleatória dessas amostras vai ser enviada para outros dois laboratórios só para uma questão de controle de qualidade, um na Grã-Bretanha e outro na Espanha", diz Sandra. O Comitê vai se dedicar, nos próximos meses, à elaboração de um relatório a ser entregue a ambos os governos, e só a partir daí as famílias serão informadas sobre os resultados das identificações. 

    Esse trabalho do CICV nas Malvinas não foi o primeiro. O Comitê tem atuado ao longo dos anos nesse tipo de investigação na Colômbia, no Brasil, onde ajuda na formação de equipes forenses, Ucrânia e em países do Leste Europeu.

    Mais:

    OEA volta a respaldar a Argentina em discussão sobre soberania das Malvinas
    Malvinas: há algo a mais nos céus do que aviões de carreira
    Tags:
    ajuda humanitária, acordo, corpos, identificação, guerra, Comitê Internacional da Cruz Vermelha, Sandra Lefcovich, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik