23:12 20 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Escravidão

    Escravidão é hoje 30 vezes mais lucrativa do que nos séculos 18 e 19, diz estudo

    © Foto: Pixabay/SammisReachers
    Américas
    URL curta
    344

    Um estudo realizado por um economista da Universidade de Harvard (EUA) indicou que a escravidão humana na atualidade é muito mais lucrativa do que àquela praticada nos séculos 18 e 19, com o uso de pessoas do Continente Africano.

    Conduzido pelo norte-americano Siddharth Kara, o trabalho apontou que os exploradores de hoje do trabalho escravo lucram entre 25 e 30 vezes mais do que aqueles traficantes de pessoas dos séculos passados, em um negócio anual de US$ 150 bilhões.

    Os detalhes do estudo foram publicados nesta segunda-feira pelo jornal britânico The Guardian e tomam por base o trabalho do economista para o livro Modern Slavery (Escravidão Moderna, em tradução livre), que será publicado nos EUA em outubro.

    Kara buscou dados de 51 países e, ao longo de 15 anos, compilou a sua pesquisa. Ele ainda ouviu durante o trabalho mais de 5.000 vítimas do trabalho escravo.

    “A escravidão hoje é mais rentável do que eu poderia ter imaginado”, afirmou o economista à publicação. Segundo os seus cálculos, o lucro gerado por um escravo ao seu explorador atinge US$ 3.978 (quase R$ 12,5 mil). Quando a exploração é sexual, o lucro é 10 vezes esse valor, podendo chegar a US$ 36 mil (R$ 112,6 mil).

    O montante gerado com a escravidão moderna para fins sexuais corresponde à metade do total gerado pelo crime na atualidade, embora esse tipo de exploração responda por 5% das vítimas de trabalho escravo no século 21.

    “A vida humana se tornou mais descartável do que nunca […]. A ineficiência da resposta global à escravidão moderna permite que essa prática continue existindo. A não ser que a escravidão humana seja entendida como uma forma cara e arriscada de exploração do trabalho alheio, essa realidade não vai mudar”, avaliou Kara.

    De acordo com dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), ao menos 21 milhões de pessoas pelo mundo são exploradas em algum modelo de escravidão moderna. Conflitos bélicos e fluxos migratórios possuem papel importante nesse processo, segundo especialistas.

    Mais:

    Escravidão no século 21? Líder ruralista quer trocar trabalho por 'emprego e moradia'
    Corte Interamericana de Direitos Humanos condena o Brasil por escravidão
    45,8 milhões de pessoas no mundo vivem em condições de escravidão moderna
    Tags:
    trabalho escravo, escravidão moderna, escravidão sexual, escravidão, Universidade de Harvard, Organização Internacional do Trabalho (OIT), Siddharth Kara, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik