14:20 19 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Donald Trump, presidente dos EUA

    Liberdade seletiva: Trump nega direito de serviço militar à comunidade LGBT

    © REUTERS / Yuri Gripas
    Américas
    URL curta
    3293
    Nos siga no

    A União Americana pelas Liberdades Civis condena veementemente a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de proibir o alistamento de transexuais nos serviços militares do país.

    A União Americana pelas Liberdades Civis condena veementemente a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de proibir o alistamento de transexuais nos serviços militares do país e acusa o presidente de ganhar pontos políticos "baratos" com a decisão, declarou o advogado sênior da organização ALCU's LGBT & HIV Project, Joshua Block, nesta quarta-feira (26).

    Hoje mais cedo, Trump afirmou que EUA estão proibidos de aceitar transexuais nas Forças Armadas do país sob qualquer forma.

    "Isso é uma iniciativa insultuosa e desesperada. Milhares de membros transgênero, que estão na linha de frente pelo seu país, merecem mais do que um comandante-chefe que rejeita as necessidades básicas humanitárias de cada um […] O presidente está tentando ganhar pontos políticos baratos nas costas de oficiais militares, que puseram suas vidas na linha de frente pelo seu país", diz o comunicado.

    De acordo com Block, não há fundamento para impedir que transexuais prestem serviço militar norte-americano, reforçando que a organização ACLU está examinando todas as opções para reverter iniciativa de Trump.

    Em junho de 2016, o Pentágono deu um basta na proibição de transexuais servirem abertamente no serviço militar ou por serem dispensados, baseando-se somente por serem transgênero. O então secretário de Defesa, Ashton Carter, deu aos comandantes militares um ano — até 1º de julho de 2017 — para determinar como recrutar pessoas transgênero, bem como para mudar as formas de treinar, incluindo todos os gêneros sem distinção.

    No dia 30 de junho deste ano, o secretário de Defesa, James Mattis, ordenou que o alistamento de transgênero fosse adiado por seis meses.

    Mais:

    Filha de Trump bloqueia ordem da abolição de direitos dos LGBT
    Militante LGBT da embaixada dos EUA é assassinado em Bangladesh
    Tags:
    direito, LGBT, serviço militar, Donald Trump, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar