00:46 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Soldados do exército dos EUA na Letônia participam da operação Atlantic Resolve da OTAN

    Mídia explica por que exército americano 'está se desfazendo'

    © REUTERS/ Ints Kalnins
    Américas
    URL curta
    121948174

    O Exército dos EUA se está desfazendo por causa de vários problemas que os generais americanos preferem ignorar, escreve o especialista em história militar e questões de defesa, Douglas Macgregor, para o National Interest.

    Na opinião do especialista militar e antigo coronel, o alto comando do exército norte-americano não entende que já não estamos na época da Segunda Guerra Mundial. Segundo o analista, ele prefere antes gastar bilhões de dólares em tecnologias não testadas que supostamente ajudarão a vencer uma guerra no futuro ou em novas modificações de plataformas e sistemas obsoletos.

    "Caso Donald Trump não aponte um secretário do Exército forte e qualificado, que exija responsabilidade aos generais e apele a mudança radicais, o exército perderá muito mais do que dinheiro", acredita o analista.

    Douglas Macgregor cita os próximos exercícios da OTAN na Bulgária, durante os quais tropas paraquedistas da OTAN terão que desembarcar no território do inimigo convencional, capturar um aeródromo e "reforçar o poderio de combate" para futuras operações.

    O especialista chama o evento de "exercícios de simulação de suicídio", o que sabem muito bem tanto os aliados dos EUA na Europa Oriental, como a Rússia. Qualquer operação deste tipo exige que os EUA tenham vantagem no céu, no mar e vantagem sistemática em geral no campo de batalha no território respetivo.

    Se os EUA tentassem realizar uma tal operação contra a Rússia, a China ou a Coreia do Norte, países que estão preparados, esses "exercícios" acabariam num abrir e fechar de olhos, assegura o especialista.

    Outra "desgraça" do exército norte-americano, de acordo com Douglas Macgregor, é que 200 mil militares têm que estar presentes na África, Ásia e no Oriente Médio por causa das operações que Washington está realizando nestas regiões.

    "O poder militar se baseia em formações militares, não no número de soldados. Atualmente, o Exército dos EUA está espalhado por todo o mundo, sendo suas formações reminiscências da Guerra Fria", acredita o especialista.

    As formações de tropas dos EUA, como elas existem hoje, não estão prontas para ações conjuntas e integradas na "situação militar mais mortífera desde a Segunda Guerra Mundial", considera.

    De acordo com o analista, a ameaça de uma situação de crise, semelhante à da Guerra da Coreia nos anos 50, é cada vez maior. Por isso, é possível que a história julgue Donald Trump precisamente pela sua escolha do novo secretário do Exército, concluiu Douglas Macgregor.

    Mais:

    Especialista: OTAN 'mostra músculos' perante a Rússia, mas não os usa
    EUA querem se igualar à Rússia e criar Corpo Espacial, mas Pentágono tem objeções
    Tags:
    colapso, fraqueza, exército, OTAN, Donald Trump, Bulgária, Europa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik