05:43 24 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Marcelo Odebrecht

    Argentina bane Odebrecht de licitações por 12 meses

    © AFP 2019 / Heuler Andrey
    Américas
    URL curta
    221
    Nos siga no

    A Argentina baniu a construtora brasileira Odebrecht por 12 meses de suas licitações de obras públicas, informou um porta-voz do governo local citando os casos de corrupção que envolvem a empresa.

    A decisão pode deixar a companhia de fora de uma série de empreendimentos de infraestrutura planejados pelo governo. Em entrevista por telefone com a agência Reuters, um porta-voz da Casa Rosada afirmou que a empresa brasileira poderá finalizar os projetos que já iniciou.

    A Odebrecht admitiu em um acordo com os procuradores dos EUA e do Brasil ter pago subornos em 12 países para ganhar contratos — incluindo US$ 35 milhões na Argentina

    "Durante um ano, eles estão proibidos de retirar o certificado usado para licitar obras públicas", disse o porta-voz, acrescentando que uma resolução seria publicada no diário oficial local.

    O porta-voz afirmou que a publicação citará "fortes indícios de que a empresa esteve envolvida em práticas corruptas".

    A Odebrecht disse em um comunicado que não havia sido formalmente informada da decisão. "Quando oficialmente informada, a empresa avaliará a situação e verificará se seus direitos estão preservados", afirmou a empreiteira.

    Depois de fechar acordos de leniência com Brasil, Estados Unidos e Suiça, a Odebrecht está negociando para seguir operando em outros países da América Latina.

    A construtora já está proibida de participar de licitações de infraestrutura no Peru e está negociando acordos com Colômbia, Equador, México, Panamá, República Dominicana e Venezuela.

    Os promotores argentinos que investigaram a Odebrecht disseram que o país não detém um mecanismo legal para que as companhias acertem um acordo de leniência como o assinado no Brasil.

    A administração do presidente Mauricio Macri apoia um projeto que estipula uma legislação semelhante a que permitiu os acordos de leniência brasileiros.

    Mais:

    Temer sobre citação na delação da Odebrecht: 'constrangedor' e 'desagradável'
    Odebrecht pagou R$ 10,6 bilhões de propinas entre 2006 e 2014
    Temer participou de reunião sobre propina de US$ 40 milhões, segundo delator da Odebrecht
    Em delação, Marcelo Odebrecht confirma que Lula era o 'amigo'
    Analistas discutem delações de Odebrecht sobre chapa Dilma-Temer
    Tags:
    Odebrecht, Mauricio Macri
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar