05:52 01 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    9101
    Nos siga no

    Como destaca o canal FoxNews, o problema principal da investigação de vários meses sobre o suposto conluio de Donald Trump com a Rússia é que ela resultou em nada.

    Sem novos fatos, o escândalo começa a "cheirar mal" e os que querem incentivá-lo já não buscam acusar Trump de ligações com a Rússia, mas tentam apenas encontrar provas de que ele podia interferir no decurso da investigação.

    Grosso modo, face à inexistência de fatos reais, são usados quaisquer pretextos, como aquele, por exemplo, que diz que "a Rússia há décadas que tenta minar os EUA".

    Viktor Marakhovsky, colunista da Sputnik, lembra que há 15 anos, sob o pretexto das supostas armas químicas, foi destruído o Iraque, chegando assim à conclusão de que a falta de provas nunca impediu as companhas de demonização.

    O autor escreve que o que está acontecendo na sociedade norte-americana hoje em dia se chama paranoia e destaca que toda essa perturbação já foi descrita há muito anos na Rússia.

    Apenas um ano atrás, antes das eleições americanas, em certos círculos reinavam ânimos antiamericanos. Alguns acusavam os EUA e a política de Obama de todos os males, principalmente econômicos, considerando que "com Hilary será pior". Ao ser questionados "porquê?", eles juravam que os EUA precisam de uma Rússia fraca, pois eles semeiam a instabilidade em todo o mundo. "A visão antiamericana é uma compensação da própria distrofia e debilidade política", cita Marakhovsky um dos artigos da época.

    "Era muito mais fácil aceitar a posição antiocidental do que perceber a realidade e encontrar a solução do problema", relembra o autor.

    Passado menos de um ano, continua Marakhovsky, hoje em dia a mesma paranoia se tornou mainstream nos países, que, pelos vistos, não sofrem de problemas econômicas e são politicamente maduros.

    "O que mais impressiona é que a campanha de paranoia está sendo desenvolvida pelos países mais avançados e pelos representantes das mais modernas ideias políticas e não pelos 'plebeus', que de acordo com os 'liberais' votaram na candidatura de Trump", frisa o colunista.

    Assim o autor chega a duas conclusões opostas.

    Primeira: não existe na famosa democracia liberal nenhuma magia que garanta à nação uma visão sóbria do mundo e que a ajude a evitar buscar inimigos externos. A maturidade da nação é garantida pela instrução, bagagem cultural e por uma visão abrangente do mundo. Se estes fatores estão ausentes, ao enfrentar qualquer problema, o povo se torna paranoico, sujeito a todo o tipo de propaganda.

    Segunda: sim, existe a magia da sociedade democrática. Só que o "conluio russo para minar os EUA", a democracia e as liberdades ocidentais é muito mais forte [do que essa magia]. É tão diabolicamente eficaz que deu certo. Por isso, hoje em dia, as nações avançadas estão mergulhando em um novo tipo de escravatura e cultivam a "psicologia da fortaleza assediada".

    Mais:

    Inteligência dos EUA tem novo suspeito de ligações com a Rússia
    Ex-diretor do FBI testemunha sobre ligações de Trump com russos
    Trump defende genro Kushner de suspeitas de ligações com a Rússia
    Tags:
    pista russa, ligação, eleições, Donald Trump, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar