05:00 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Míssil britânico Trident II D5 lançado a partir do submarino USS Maryland perto da costa da Flórida, 31 de agosto de 2016

    Pentágono revisa planos para ação militar contra a Coreia do Norte

    © flickr.com/ National Museum of the U.S. Navy
    Américas
    URL curta
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)
    32412
    Nos siga no

    O Departamento de Defesa dos Estados Unidos aguarda a oportunidade de apresentar para o presidente do país, Donald Trump, os planos militares revisados para lidar com a Coreia do Norte, segundo informações desta quinta-feira da rede americana CNN.

    De acordo com duas fontes militares, as alternativas militares para conter e lidar com Pyongyang possuem como ponto central um novo teste nuclear ou um teste que demonstre avanços do regime na produção de um míssil balístico intercontinental (ICBM).

    “O que temos a fazer é preparar todas as opções porque o presidente deixou claro para nós que ele não aceitará uma potência nuclear na Coreia do Norte e uma ameaça que possa ter como alvo os Estados Unidos e atingir a população americana”, disse o assessor de Segurança Nacional H.R. McMaster.

    McMaster comentou ainda que Pyongyang é uma ameaça “muito mais imediata agora” e que “não é possível adotar a mesma abordagem fracassada do passado”. “O presidente nos ordenou que não fizesse isso e que preparasse uma série de opções, incluindo uma opção militar, que ninguém quer tomar”.

    A Casa Branca vem sendo enfática de que prefere uma saída diplomática para as tensões em torno do programa nuclear norte-coreano. O secretário James Mattis já disse, em mais de uma ocasião, que um conflito militar com o regime de Kim Jong-un teria um número alto de perdas de vidas humanas.

    Anteriormente, parlamentares sul-coreanos haviam tido acesso a um documento de medidas que Washington pretendia abordar com relação a Pyongyang, e a saída militar não constava nele. A reforma dos planos militares, ao que tudo indica, se deve à falta de eficácia das recentes sanções impostas à Coreia do Norte, que não abre mão do seu programa nuclear.

    Banco chinês é acusado por 'lavar dinheiro' norte-coreano

    O Banco de Dandong passou a integrar uma lista negra dos EUA, citado como “a principal preocupação por lavagem de dinheiro” por supostamente ajudar a Coreia do Norte financeiramente no sistema internacional, segundo informou o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

    Anteriormente, instituições financeiras internacionais se afastaram de negociações com Pyongyang em virtude do medo de virem a ser sancionadas pelos norte-americanos.

    “Esse banco serviu de porta de entrada para a Coreia do Norte acessar os sistemas financeiros internacionais e dos EUA — facilitando milhões de dólares de transações para empresas envolvidas nos programas de mísseis nucleares e balísticos da Coreia do Norte. Os Estados Unidos não defenderão tais ações”, disse Mnuchin sobre o Banco of Dandong.

    “Esta regra proposta exigirá que os bancos dos EUA assegurem que o Banco de Dandong não tenha acesso ao sistema financeiro dos EUA direta ou indiretamente através de outros bancos estrangeiros. Essa ação reafirma o compromisso do Departamento do Tesouro de assegurar que a Coreia do Norte seja interrompida do sistema financeiro dos EUA”, concluiu.

    Tema:
    Tensão sem precedentes entre Coreia do Norte e EUA (186)

    Mais:

    Coreia do Norte avança para desenvolver bombas de hidrogênio, diz especialista
    Moscou elabora roteiro para atingir paz na Coreia do Norte
    Coreia do Norte liga Trump a Hitler e diz que o seu governo é o 'Nazismo do Século 21'
    Tags:
    sanções, diplomacia, míssil balístico intercontinental, icbm, guerra nuclear, Steven Mnuchin, Kim Jong-un, H.R. McMaster, Donald Trump, James Mattis, Coreia do Norte, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar